Depois de Trump, Bannon ajuda na campanha de Bolsonaro

Segundo os analistas políticos, o candidato brasileiro aprendeu a lição de Donald Trump e usa as redes sociais para pregar a sua mensagem populista

A vitória de Jair Bolsonaro na primeira volta das eleições à presidência do Brasil tem sido comparada por vários analistas políticos à vitória de Donald Trump nos EUA. E não será certamente coincidência que Steve Bannon, que foi conselheiro estratégico do presidente norte-americano, seja um apoiante de Bolsonaro.

Bannon, que antes de se aliar a Trump, em 2016, foi chefe de redação do site Breitbart, uma das plataformas da extrema-direita norte-americana, encorajou o então candidato à presidência a manter um discurso populista e tornou-se um especialista em "teorias da conspiração". São também conhecidas as suas ligações ao grupo de extrema-direita alt-right, aos supremacistas brancos e a setores antissemitas.

Em agosto, Bannon encontrou-se com Eduardo Bolsonaro, deputado e filho de Jair Bolsonaro, e tornou-se um conselheiro informal da campanha. "Bannon se colocou à disposição para ajudar. O suporte é dica de internet, de repente uma análise, interpretar dados, essas coisas", explicou Eduardo Bolsonaro à revista Época. "O mesmo tratamento que tem Trump lá é o que se dispensa ao Bolsonaro aqui. Todos esses rótulos e tudo o mais. É praticamente a mesma coisa. Os dois brigam contra o establishment."

Depois de deixar a Casa Branca,Bannon tem se dedicado a espalhar o seu modo de ver e fazer a polícia pelo mundo. Encontrou-se com Marine Le Pen, em França, e também tem acompanhado de perto a situação na Itália, na Polónia, na Alemanha, na Suécia. Não admira, por isso, que se tenha interessado pelo Brasil.

Que papel teve Steve Bannon na campanha Jair Bolsonaro? Essa é a questão a que o jornalista Plínio Teodoro procura responder no artigo publicado segunda-feira na revista Forum. Para isso, cita o filósofo brasileiro Rafael Azzi, que explica que "as técnicas usadas por Bolsonaro seguem a cartilha criada por Bannon para Trump - e que vem sendo usada nos movimentos de extrema-direita em todo o mundo".

Bolsonaro aprendeu rapidamente a lição de Trump. "Um uso da linguagem tosca a custo zero; contínuas críticas aos meios de comunicação tradicionais, enquanto constrói os seus próprios e faz um uso incomparável das redes sociais para obter seus fins. Em todos os casos, prima um componente nacionalista e um culto à personalidade que supera o de seus rivais. Como Trump na campanha, Bolsonaro também se valeu de seus filhos como porta-vozes", escreveu Javier Lafuente, correspondente do El Pais em São Paulo.

As semelhanças entre ambos são claras também da o cientista político Pedro Otoni, ouvido pelo site Brasil de Fato: "Em primeiro lugar, na dimensão dos instrumentos, do uso das redes sociais, dos instrumentos de comunicação digitais, mas mais do que isso, também há uma exploração bastante organizada da big data, de banco de dados." Outra semelhança entre as campanhas de Trump e Bolsonaro destacada por Otoni é o foco no combate campanhas pelos Direitos Humanos, alimentado pela desordem social em que o país se viu mergulhado nos últimos anos. "Existe uma desorganização económica por causa da crise, do desemprego elevado que temos hoje. E essa desordem é sentida por boa parte da sociedade, a classe média, os trabalhadores. E aí, boa parte dessas bases sociais que estão, inclusive de uma maneira justificada, contra essa desordem que foi implantada depois do golpe, clamam por essa ordem, mas de uma maneira bastante simplista, beirando o primitivismo político, que é o que representa o Bolsonaro".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.