Depois das críticas, Trump volta a colocar bandeira a meia haste

A bandeira na Casa Branca voltou ao topo logo pela manhã, menos de 48 horas depois da morte do senador John McCain. As críticas foram muitas e Trump cedeu. A bandeira voltou a meia haste e o presidente explica porquê em comunicado

Mesmo após a morte, McCain parecia continuar a ser o maior rival de Donald Trump. Pelo menos, isso parecia ser o sinal que o presidente americano estava a dar aos americanos ao não deixar a bandeira da Casa Branca continuar a meia haste até ao funeral do senador, no próximo domingo. A bandeira voltou ao topo logo na manhã desta segunda-feira, mas as críticas na comunicação social não se fizeram esperar e, a meio da tarde, voltou a meia haste.

Trump explica em comunicado que: "Apesar das nossas diferenças em política, eu respeito o serviço do senador John McCain ao nosso país e, em sua honra, assinei uma proclamação para levar a bandeira dos EUA a meia haste até ao dia do seu enterro."

Mas esta proclamação chega 48 horas depois da morte do senador republicano, sábado de manhã. Até aqui, Trump tinha-se recusado a fazer qualquer declaração sobre o homem que o criticou ferozmente. A imagem de braços caídos e o silêncio à pergunta dos jornalistas sobre o legado de McCain correu mundo. Trump tinha apenas registado a morte do republicano através do Twitter, mas não abordou o seu legado.

De acordo com os jornais americanos, faz parte do Código das Bandeiras que esta permaneça a meia haste desde a morte até ao funeral de um senador e no dia da morte e até ao dia seguinte para um membro do congresso. No governo de Obama, esta regra foi seguida, pelo menos, no caso de morte de três senadores.

A situação levou legisladores, políticos, a criticarem, mais uma vez, Donald Trump, acusando-o de não estar a respeitar e a honrar a morte de McCain. O funeral do senador republicano, que morreu no seu rancho no Arizona, está marcado para domingo.

A rivalidade entre Trump e McCain agudizou-se nos últimos tempos, tendo o senador inclusivamente deixado recados diretos ao atual presidente numa carta de despedida que deixou para ser revelada após a sua morte:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.