Pornografia no computador causa demissão de ministro britânico

"É com profundo pesar e com gratidão pelo seu contributo durante muitos anos que lhe pedi que se demitisse do Governo e aceitei a sua demissão", escreveu Theresa May

Damian Green, ministro-adjunto da primeira-ministra britânica Theresa May, demitiu-se esta quarta-feira após uma investigação interna ter revelado que tinha feito declarações "enganadoras" sobre pornografia encontrada nos computadores do seu escritório no Parlamento, em 2008.

Green, um dos maiores aliados de Theresa May no governo, teve um papel decisivo na pacificação dos conservadores. Amigo de longa data de May, foi nomeado em junho, na sequência das eleições em que os tories perderam a maioria parlamentar.

"É com profundo pesar e com gratidão pelo seu contributo durante muitos anos que lhe pedi que se demitisse do Governo e aceitei a sua demissão", escreveu Theresa May numa carta endereçada a Damian Green. Este respondeu a May, também numa carta, lamentando ter violado o código de conduta dos ministros.

A investigação sobre o conteúdo pornográfico dos computadores concluiu que as declarações de Green foram "inexatas e enganadoras". Green nega ter visto pornografia nos computadores do Parlamento.

O número dois do governo tinha sido acusado de assédio sexual no mês passado por uma antiga militante do Partido Conservador. A esta também pediu desculpa, embora afirme "não se reconhecer nos factos descritos".

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.