Pornografia no computador causa demissão de ministro britânico

"É com profundo pesar e com gratidão pelo seu contributo durante muitos anos que lhe pedi que se demitisse do Governo e aceitei a sua demissão", escreveu Theresa May

Damian Green, ministro-adjunto da primeira-ministra britânica Theresa May, demitiu-se esta quarta-feira após uma investigação interna ter revelado que tinha feito declarações "enganadoras" sobre pornografia encontrada nos computadores do seu escritório no Parlamento, em 2008.

Green, um dos maiores aliados de Theresa May no governo, teve um papel decisivo na pacificação dos conservadores. Amigo de longa data de May, foi nomeado em junho, na sequência das eleições em que os tories perderam a maioria parlamentar.

"É com profundo pesar e com gratidão pelo seu contributo durante muitos anos que lhe pedi que se demitisse do Governo e aceitei a sua demissão", escreveu Theresa May numa carta endereçada a Damian Green. Este respondeu a May, também numa carta, lamentando ter violado o código de conduta dos ministros.

A investigação sobre o conteúdo pornográfico dos computadores concluiu que as declarações de Green foram "inexatas e enganadoras". Green nega ter visto pornografia nos computadores do Parlamento.

O número dois do governo tinha sido acusado de assédio sexual no mês passado por uma antiga militante do Partido Conservador. A esta também pediu desculpa, embora afirme "não se reconhecer nos factos descritos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.