David Cameron quebra o silêncio: "Sei que algumas pessoas nunca me vão perdoar"

Ex-primeiro-ministro britânico, responsável pelo referendo sobre o Brexit em 2016, afirma em entrevista ao Times que é contra um No Deal Brexit e não descarta a hipótese de uma segunda consulta popular

Numa altura em que se prepara para lançar o seu livro de memórias, o ex-primeiro-ministro britânico David Cameron quebrou o silêncio sobre o Brexit, a campanha para o referendo de 2016, o comportamento de alguns políticos, na altura e agora, bem como sobre o estado a que chegou o seu Partido Conservador.

"Sei que algumas pessoas nunca me vão perdoar por ter organizado um referendo. Outras por tê-lo organizado e perdido. Há ainda, claro, pessoas que queriam um referendo e que queriam sair que estão contentes que a promessa feita tenha sido mantida", declarou o ex-chefe do governo do Reino Unido, referindo-se à consulta de 23 de junho de 2016. Nela, 52% dos eleitores britânicos votaram pela saída do país da UE, 48% pela permanência. Em entrevista ao Times, antes de publicar For the Record (Para que fique Registado), Cameron, hoje com 52 anos, diz que o resultado daquela consulta popular o deixou "profundamente deprimido".

Na sequência daquele resultado, Cameron demitiu-se, dando lugar a Theresa May. Em julho do ano passado, May foi obrigada a demitir-se do N.º 10 de Downing Street depois de ver o seu acordo do Brexit com a UE27 ser chumbado três vezes pelos deputados da câmara dos Comuns. A seguir a ela, no governo e no Partido Conservador, veio Boris Johnson. E com ele o cenário de um No Deal Brexit - a 31 de outubro - tornou-se uma forte probabilidade. No meio de tudo isto, uma guerra entre o governo e o Parlamento, que levou à suspensão deste, pelo menos até 14 de outubro.

Na entrevista àquele jornal britânico, Cameron, que foi primeiro-ministro entre 11 de maio de 2010 e 13 de julho de 2016, afirma que Boris Johnson e Michael Gove [atualmente ministro] se portaram "terrivelmente mal" durante a campanha para o referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia. Sobre as guerras internas nos conservadores, o político que liderou a formação entre 6 de dezembro de 2005 e 11 de julho de 2016, afirmou-se desapontado: "Suponho que algumas pessoas diriam que no amor, na guerra e nas campanhas políticas vale tudo. Eu pensava que havia coisas que os conservadores não iriam fazer para se colocarem uns contra os outros e eles fizeram".

CLIQUE AQUI PARA LER A ENTREVISTA DE DAVID CAMERON AO TIMES:

Cameron diz que não apoia nem a expulsão do partido dos deputados conservadores rebeles que votaram contra Boris Johnson ao lado da oposição, nem a decisão deste em pedir à Rainha Isabel II a suspensão do Parlamento. "Não apoio nenhuma das duas coisas" e penso que "um No Deal Brexit não é uma boa ideia". Questionado sobre se um segundo referendo seria uma boa ideia, o ex-governante não descartou essa hipótese. "Não podemos descartá-la porque estamos bloqueados", admitiu.

O livro For the Record tem 752 páginas é publicado na próxima quinta-feira dia 19 de setembro. Cameron tem previsto dar outras entrevistas para promover o livro e falar do Brexit, nomeadamente na segunda-feira à noite, à ITV News. Os direitos de publicação foram comprados pela HarperCollins por 800 mil libras (725 mil euros). A editora acredita que o negócio vai compensar. Porém, reporta o Guardian, as pré-encomendas na Amazon não estão propriamente em alta e no Reino Unido algumas livrarias independentes recusam fazer stock do livro. Este será vendido a 25 libras (23 euros). Posto isto, Cameron tem provavelmente razão. Algumas pessoas provavelmente nunca lhe vão perdoar.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.