Trump: "Podia tirar os EUA da NATO, mas não será necessário"

As exigências de Donald Trump para que os membros da NATO aumentem já a despesa com a Defesa lançaram o pânico entre os aliados e motivaram uma sessão de emergência

A reunião dos países da NATO em Bruxelas entrou em sessão de crise na sequência de palavras duras de Trump, num ataque que lançou o pânico entre os líderes mundiais: se não aumentarem imediatamente os gastos com Defesa, os Estados Unidos vão "seguir o seu próprio caminho", disse o líder norte-americano, citado por fontes do Washington Post.

Contudo, reclamando vitória, Trump disse estar satisfeito com o compromisso assumido, em Bruxelas, pelos aliados de aumentarem "substancialmente" as suas despesas militares, assumindo que na véspera foi "muito firme".

"Podia tirar os EUA da NATO, mas não será necessário", afirmou o presidente. "Hoje, fizemos progressos tremendos. Todos na sala concordaram pagar mais e pagar mais rapidamente, como nunca antes. A NATO está muito mais forte hoje do que há dois dias", disse Trump numa conferência de imprensa.

Merkel também disse que há um "claro compromisso" com a NATO, por parte de todos, admitindo que a Alemanha tem de fazer mais. "Tivemos uma cimeira muito intensa", reconheceu, citada pela Reuters, caracterizando do debate como "fundamental".

O presidente francês, Emmanuel Macron, negou contudo que Trump tenha ameaçado sair da NATO ou que tenha havido qualquer compromisso dos aliados para aumentar as despesas nacionais com Defesa para lá dos 2% do PIB (uma meta acordada em 2014 para ser cumprida até 2024).

"O presidente Trump nunca, em algum momento, quer público quer privado, ameaçou sair da NATO", disse Macron.

"A NATO está mais forte" do que há dois dias e as conclusões da cimeira vão mostrar que a "forma harmoniosa" com que os 29 aliados chegaram a acordo "sobre o que devem fazer em conjunto", afirmou o primeiro-ministro português, António Costa, lembrando que as relações entre os EUA e a Europa "têm uma longa tradição" e que, mesmo sob a presidência de Donald Trump, "são aliados de confiança".

Portugal é um dos países que tem que aumentar as suas despesas militares até aos 2% do PIB. "Não creio que seja uma matéria que introduza dificuldades acrescidas. Este ritmo de convergência é conhecido. O objetivo e o compromisso que foi assumido com a NATO em 2014 é também conhecido. É mais um constrangimento nas decisões orçamentais que temos que tomar", defendeu o primeiro-ministro português.

Recorde aqui a crise criada pelas ameaças de Trump

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)