Paris e Nova Deli querem construir a maior central nuclear do mundo

Paris e Nova Deli afirmaram hoje o seu objetivo de iniciar até final de 2018 os trabalhos para a construção da "maior central nuclear do mundo", na Índia, com seis reatores.

A empresa francesa EDF, do setor elétrico, e a sua homóloga indiana Nuclear Power Corporation of India (NPCIL) assinaram um acordo naquele sentido, em Nova Deli, onde se encontra o Presidente francês, em visita até segunda-feira.

Emmanuel Macron disse esperar que o acordo definitivo sobre a construção da central de Jaitapur, na costa sudoeste da Índia, seja assinado "antes do final do ano".

Numa declaração conjunta, o Presidente francês e o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, encorajaram "a EDF e a NPCIL a acelerar as negociações contratuais", reafirmando "o objetivo de iniciar os trabalhos no final de 2018".

"Quando terminar, o projeto de Jaitapur será a maior central nuclear do mundo com uma capacidade total de 9,6 GW" (gigawatts), especificaram os responsáveis políticos.

O projeto foi negociado durante uma década e tem sido contestado pelos habitantes locais por razões ambientais. Hoje realizou-se uma manifestação na área onde está prevista a central.

Na declaração conjunta, os responsáveis políticos referem que, "além do abastecimento de energia renovável, [a central] permitirá à Índia atingir o seu objetivo de ter 40% de energia não fóssil até 2030".

Com a segunda maior população do mundo, atingindo 1,25 mil milhões de habitantes, a Índia é o terceiro maior poluidor do planeta, com 4% das emissões de gases com efeito de estufa, responsáveis pelas alterações climáticas, e comprometeu-se a realizar um esforço para desenvolver energias renováveis.

A energia nuclear é contestada pelas organizações de defesa do ambiente que argumentam representar um risco de poluição de água e solos em caso de acidente nas centrais, além de ainda não haver uma solução para os resíduos resultantes da atividade das unidades.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.