Acordo no Conselho Europeu para centros de migrantes em países "voluntários"

Após uma noite de negociações, os chefes de Estado e de governo da UE chegaram a acordo sobre uma abordagem comum para a gestão das migrações

A Itália ameaçou bloquear o acordo por falta de compromissos claros por parte dos parceiros europeus em acolher os migrantes, mas ao fim de oito horas de discussão os 28 líderes da UE chegaram a acordo, já de madrugada, numa tensa reunião que decorreu em Bruxelas.
"Os líderes da UE concordaram com as conclusões do Conselho, incluindo a migração", anunciou o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, no Twitter, às 3.30.

Pontos de acordo

- Os líderes europeus pedem à Comissão e ao Conselho que explorem as possibilidades de criar "plataformas de desembarque" para migrantes resgatados no mar em países terceiros (africanos), em colaboração com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados e os Refugiados e a Organização Internacional para as Migrações. Estas plataformas devem distinguir os migrantes económicos das pessoas que podem pedir asilo.

- Criação de "centros controlados" em países europeus "voluntários", onde os migrantes que chegam aos portos europeus são acolhidos. Os migrantes elegíveis para asilo podem ser distribuídos a partir destes locais para outros países europeus, que também são voluntários, cumprindo assim o desejo italiano de uma "responsabilidade partilhada".

- A União Europeia vai desbloquear a segunda parcela dos 3 mil milhões de euros pagos a Ancara, no âmbito do plano UE-Turquia, ao abrigo do qual a segunda se comprometeu a impedir os migrantes de embarcarem no Mar Egeu. Ao mesmo tempo, 500 milhões de euros serão transferidos para o Fundo Fiduciário para a África, destinado a países africanos para cumprir a mesma missão.

Itália declara vitória

"A Itália já não está sozinha", afirmou o primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte, que pressionou os restantes líderes ao afirmar que não seria aprovada nenhuma declaração comum do Conselho Europeu que hoje prossegue caso não se chegasse a acordo no tema das migrações.

Ao princípio da noite, Conte esteve reunido com Merkel e a conversa terminou em desacordo, ao fim de 20 minutos.

Segundo fontes diplomáticas revelaram à AFP, as negociações foram entabuladas com base nas propostas de Conte e do presidente francês.

"Venceu a cooperação europeia", comentou, no final, Emmanuel Macron, sobre a reunião que decorreu numa atmosfera de crise política.

Às 5.00 de Bruxelas, a chanceler alemã Angela Merkel dirigiu-se aos jornalistas e declarou ser um bom sinal o facto de os líderes terem conseguido chegar a um texto comum sobre a controversa questão migratória. Mas reconheceu que o bloco ainda tem "muito trabalho a fazer para superar as diferentes visões".

Discussão adiada

As diferentes visões a que Angela Merkel aludia vão do grupo de Visegrado, que reúne checos, eslovacos, húngaros e polacos, e que não aceita receber migrantes, à Itália do novo governo populista do Movimento 5 Estrelas e da Liga, que não aceita mais ser a porta de entrada dos migrantes, até porque, segundo a Convenção de Dublin, o país que o migrante chega é o responsável em gerir a sua solicitação de proteção internacional.

Sobre a reforma da Convenção ou Regulamento de Dublin, a discussão foi adiada para outubro.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.