Congresso espanhol aprovou exumação de restos mortais de Franco

Decreto-lei do Governo, que pretende retirar retirar restos do ditador do Vale dos Caídos, aprovado com a abstenção do PP e do Ciudadanos

Com 164 votos a favor e 164 abstenções - que, de acordo com o El País , terão partido da bancada do PP e do Ciudadanos -, o pleno do Congresso espanhol aprovou hoje a exumação dos restos mortais de Francisco Franco, que liderou o país entre 1936 e a sua morte, em 1975. Ficam assim ultrapassados os obstáculos formais ao decreto-lei aprovado pelo governo liderado por Pedro Sánchez, em agosto.

O ditador está sepultados no Vale dos Caídos - abreviação pela qual é conhecida a Abadia da Santa Cruz do Vale dos Caídos - , um memorial a cerca de 40 quilómetros de Madrid, mandado erguer pelo próprio Franco, que serviu para homenagear as vítimas do lado nacionalista na Guerra Civil de 1936-39, e onde estão sepultados 33 872 soldados que perderam a vida no conflito.

Há muitos anos que gerava polémica o facto de Franco ter sido ali sepultado. Desde logo, porque não foi vítima da Guerra Civil. Mas também porque a presença dos seus restos mortais fazia do Vale dos Caídos um local de romaria para saudosistas da ditadura que governou o país durante quatro décadas.

Agora, está previsto que seja definido, até final do ano, para onde serão transferidos os restos mortais de Franco. A família terá prioridade na escolha mas, caso não se pronuncie, caberá ao governo a decisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.