Comprem barras de ouro, diz Maduro aos venezuelanos

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou um plano nacional de poupança segundo o qual os cidadãos poderão comprar barras de ouro

"Chegou a hora de um plano de poupança em ouro, vamos poupar em ouro. Eu já estou preparado, tenho vários milhares de peças para que o povo venezuelano poupe em ouro", anunciou Nicolás Maduro, durante uma reunião com dirigentes do seu partido, o Partido Socialista Unido da Venezuela, PSUV.

Este mecanismo, precisou o chefe do Estado venezuelano, citado pela agência Efe, será "de livre acesso" para trabalhadores, pensionistas, amas, empresários e cidadãos em geral. "É um plano sério e sólido", assegurou Maduro, precisando que dará nos próximos dias mais detalhes sobre este programa de poupança.

Nas declarações que fez, o presidente da Venezuela precisou preços. Por exemplo: 1,5 gramas de ouro custarão 3.780 bolívares.

Isto numa altura em que o salário mínimo nacional foi aumentado na semana passada de 5.196.000 bolívares para 180.000.000 bolívares (de 1,14 euros para 39,50 euros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.