Comprem barras de ouro, diz Maduro aos venezuelanos

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou um plano nacional de poupança segundo o qual os cidadãos poderão comprar barras de ouro

"Chegou a hora de um plano de poupança em ouro, vamos poupar em ouro. Eu já estou preparado, tenho vários milhares de peças para que o povo venezuelano poupe em ouro", anunciou Nicolás Maduro, durante uma reunião com dirigentes do seu partido, o Partido Socialista Unido da Venezuela, PSUV.

Este mecanismo, precisou o chefe do Estado venezuelano, citado pela agência Efe, será "de livre acesso" para trabalhadores, pensionistas, amas, empresários e cidadãos em geral. "É um plano sério e sólido", assegurou Maduro, precisando que dará nos próximos dias mais detalhes sobre este programa de poupança.

Nas declarações que fez, o presidente da Venezuela precisou preços. Por exemplo: 1,5 gramas de ouro custarão 3.780 bolívares.

Isto numa altura em que o salário mínimo nacional foi aumentado na semana passada de 5.196.000 bolívares para 180.000.000 bolívares (de 1,14 euros para 39,50 euros).

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.