Clima "trocado": Suécia pede ajuda para combater incêndios e em Portugal pede-se calor

Enquanto Portugal se admira com o granizo no verão, no norte da Europa os incêndios já chegam ao Círculo Polar Ártico

Em Portugal suspira-se por temperaturas mais elevadas - a temperatura média nos próximos dias rondará os 26 graus-, mas na Suécia só se deseja que essas baixem para que o país consiga controlar os incêndios que já chegam ao Circulo Polar Ártico, zona onde mesmo no verão o clima é frio.

As autoridades suecas já pediram aos parceiros da União Europeia para enviarem meios humanos e materiais para combaterem os fogos e ajudar na retirada das populações de quatro comunidades.

Centenas de pessoas tiveram de sair das suas casas e, segundo conta o diário inglês The Guardian as que vivem em zonas onde ainda não foi dada essa ordem têm de manter-se dentro das habitações e com as janelas fechadas para evitar a inalação de fumo. As ligações por comboio foram interrompidas.

A situação é muito complicada na região como comprovam as imagens transmitidas pelo satélite de observação Copernicus, responsável pela atualização diária dos fogos na Europa, que mostra mais de 60 incêndios na Suécia, mas também na Noruega, Finlândia e Rússia.

Uma situação que tem sido habitual no sul da Europa, mas que este ano está a surpreender o norte do continente, em mais uma demonstração do quanto atípico está a ser o clima.

Enquanto na Suécia e países vizinhos se vivem estas situações de fogos, em Portugal, os primeiros meses do ano ficam marcados pelo facto de a área ardida ser, de 1 de janeiro a 15 de julho, a segunda mais baixa da última década. E o número de fogos, de acordo com a Autoridade Nacional de Proteção Civil, ser o quarto mais reduzido desse período. Segundo os dados oficiais, registaram nesse período 6035 fogos que consumiram 5327 hectares, quando em 2017 já tinham sido queimados 74 895.

Perante a situação de emergência que está a ser vivida na Suécia, a Noruega já enviou seis helicópteros de combate a incêndios e a Itália dois Canadair CL-415s. Uma resposta que no ano passado foi dada a Portugal quando o país foi atingido pelos grandes fogos que atingiram a zona norte e centro do país e que fizeram mais de uma centena de vítimas mortais.

Ilustrando a situação de emergência, habitantes de Uppsala (um pouco a norte de Estocolmo) disseram ao The Guardian que foram proibidos os churrascos depois de se terem registado 18 dias consecutivos sem chover.

"Este é, definitivamente, o pior ano nos tempos mais recentes no que diz respeito a incêndios florestais. Temos fogos todos os anos, mas 2018 está a ser excessivo", adiantou ao diário inglês Mike Peacock, um investigador e residente na região.

Salientando que sempre têm existido incêndios, as autoridades reconhecem que nunca chegaram às proporções deste ano, nem às zonas que estão a ser atingidas: algumas regiões da Gronelândia, Alasca, Sibéria e Canadá.

As autoridades suecas reconhecem que o risco de haver novos incêndios nos próximos dias é "extremamente alto" até porque as temperaturas vão manter-se pelos 30 graus. O que já levou o Sistema de Informação Europeu para os Incêndios Florestais a alertar que nos próximos dias vão manter-se condições muito propícias ao surgimento de fogos.

Alteração global

"O que estamos a assistir é a uma alteração global das áreas suscetíveis de terem incêndios, como no nordeste da Inglaterra e agora estes na Suécia", comentou Vincent Gauci, professor universitário.

Responsáveis da União Europeia recordam que está a assistir-se cada vez mais a anos atípicos no que diz respeito aos incêndios que tradicionalmente atingiam a zona dos países do sul da Europa, mas que agora estão a surgir em zonas e em períodos inesperados. E lembram ao The Guardian o longo período de fogos registado no ano passado em que arderam centenas de hectares em Portugal, Espanha e Itália.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.