Cinco delatores que fizeram tremer o sistema

A propósito de Christopher Wylie, ex-diretor de investigação da Cambridge Analytica, lembramos alguns dos mais famosos delatores da história. Recente e não só.

Edward Snowden, Chelsea Manning, Mark Felt e Daniel Ellsberg são alguns dos outros exemplos de pessoas que mudaram de lado ou sentiram a obrigação de falar e denunciar.

O canadiano que ajudou a pôr em causa o Facebook
Christopher Wylie É o homem de quem muitos falam, nem todos pelas melhores razões. Natural do Canadá, o analista de dados e ex-diretor de investigação da Cambridge Analytica passou informações ao The Guardian sobre as atividades secretas da empresa de análise de dados, revelando que esta teve acesso aos dados das contas de 50 milhões de utilizadores do Facebook. Estes foram acedidos com o objetivo de beneficiar a campanha presidencial de Donald Trump nos EUA e do brexit no Reino Unido. Isso deixou a empresa de Mark Zuckerberg debaixo de fogo. As ações do Facebook caíram. Zuckerberg recusou ir falar ao Parlamento britânico, mas aceitou ir ao Congresso dos EUA. Vegan, homossexual e ex-vítima de bullying na escola, Wylie, de 28 anos, diz ter lidado de muito perto com Steve Bannon. Em entrevista a vários jornais na semana passada e numa comparência perante uma comissão do Parlamento britânico, denunciou o uso de empresas ligadas à Cambridge Analytica pela campanha do Vote Leave no Reino Unido, dizendo que sem batota o brexit não teria ganho o referendo.

Exilado na Rússia após destapar vigilância da NSA
Edward Snowden Ex-administrador de sistemas da CIA contratado pela Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA), Edward Snowden revelou em 2013 um amplo sistema de vigilância global levado a cabo contra líderes de diversos países, civis e softwares. Depois de denunciar o esquema ao The Guardian e ao The Washington Post, fugiu dos EUA e acabou por conseguir refúgio na Rússia de Vladimir Putin. O asilo concedido em 2013 foi estendido por dois anos a 18 de janeiro de 2017, ou seja, é válido até 2019. Odiado por alguns, recebe ameaças de morte das mais variadas proveniências. Mas também já foi proposto para Prémio Nobel da Paz. Snowden tem participado, por vídeo, em conferências, como a do Estoril, em maio de 2017. Não hesita em criticar gigantes como a Google, o Yahoo ou o Facebook. No âmbito do escândalo Cambridge Analytica, Snowden publicou no Twitter uma entrevista da BBC a Mark Zuckerberg, feita em 2009, na qual o líder do Facebook garante que nunca iria partilhar ou vender a informação e os dados dos utilizadores. E pediu aos seguidores que fizessem retweet.

Militar transexual desmascarou diplomacia
Chelsea Manning Analista militar, destacado no Iraque, Bradley Manning - hoje Chelsea Manning - foi responsável por uma das maiores fugas de informação secreta para a WikiLeaks, a polémica plataforma online cofundada por Julian Assange (australiano que atualmente ainda vive refugiado na Embaixada do Equador em Londres). Manning, hoje com 30 anos, copiou cerca de 250 mil telegramas diplomáticos que foram depois divulgados pela WikiLeaks. Em CD-ROM com a inscrição Lady Gaga. Informações retiradas da consulta desses telegramas - os cables - embaraçaram diplomatas de todo o mundo. A militar foi condenada a 35 anos de prisão em 2010. Cumpriu sete. Optou depois por se assumir como transexual e, já como Chelsea, foi perdoada pelo presidente Barack Obama em janeiro de 2017. Em janeiro deste ano apresentou a sua candidatura ao Senado pelo estado do Maryland, desafiando o senador sénior Ben Cardin, um dos vários candidatos às primárias de junho nesse estado. Quem vai ocupar o lugar é uma coisa a decidir nas intercalares de novembro nos EUA.

O famoso garganta funda que levou à queda de Nixon
Mark Felt Durante anos a sua verdadeira identidade foi uma das maiores incógnitas. Só em 2005 se soube que o famoso garganta funda do caso Watergate, que levou à queda do presidente dos EUA Richard Nixon, era o vice-presidente do FBI Mark Felt (que ocupou esse cargo entre maio de 1972 e junho de 1973). Nixon, republicano, caiu em 1974, depois de muito resistir, desencadeando uma crise constitucional. Em causa o assalto à sede do Partido Democrata, no edifício Watergate, em Washington DC. Os assaltantes foram descobertos e o assunto investigado pelo Congresso. O caso foi noticiado pelo The Washington Post, mais propriamente pelos jornalistas Bob Woodward e Carl Bernstein, que tiveram sempre como fonte o tal garganta funda. E nunca revelaram a sua identidade. Até ser o próprio a fazê-lo. A 31 de maio de 2005, a Vanity Fair publicou um artigo de um advogado que escreveu em nome de Felt, com o título: "Sou o tipo a quem chamavam o garganta funda." Benjamin C. Bradlee, editor do Post à altura do Watergate, confirmou. Felt morreu em 2008, aos 95 anos.

Embaraçou o Pentágono sobre o Vietname
Daniel Ellsberg Analista militar em serviço para o Pentágono. Daniel Ellsberg filtrou para o jornal The New York Times os chamados Papéis do Pentágono em 1971. Estes revelaram que os EUA reconheciam o fracasso na guerra do Vietname mas mentiam sistematicamente à opinião pública norte-americana com o propósito de manter o conflito. Uma gravação da Sala Oval de Nixon a 14 de junho de 1972 mostra como H.R. Haldeman, então chefe de gabinete de Richard Nixon, descreve a situação ao presidente: "[Donald] Rumsfeld referia-se a isto nesta manhã... para o homem comum, tudo isto é uma geringonça. Mas uma coisa está clara... isso demonstra que as pessoas fazem as coisas que o presidente quer fazer apesar de estarem mal e de o presidente poder estar errado." Por isso, Ellsberg sofreu retaliações por parte da Administração do presidente Richard Nixon. E o NYTimes foi processado. Fundador da Freedom of the Press Foundation, chegou a ser nomeado para o Prémio Nobel da Paz em 2015 . Natural de Chicago, Ellsberg ainda é vivo e tem atualmente 86 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?