Cidades australianas invadidas por milhares de cangurus e animais selvagens

A pior seca dos últimos 50 anos está a gerar o pânico entre os habitantes - e turistas - da Austrália devido aos milhares de animais selvagens que se dirigem para as cidades em busca de água e comida.

As cidades australianas estão a ser invadidas por todo o tipo de animais selvagens devido à maior seca dos últimos 50 anos. Os cangurus são o exemplo mais conhecido, mas todo o género de aves dirigem-se também para as zonas habitacionais onde podem encontrar comida e água.

As redes sociais e a imprensa australiana estão repletas de fotografias que testemunham a morte de inúmeros animais, a maioria delas impressionantes. É o caso de cangurus mortos, dos quais praticamente só lhes resta o esqueleto.

Além dos cangurus, são os emus - a maior ave nativa da Austrália e a que possui maior envergadura a seguir ao avestruz - a espécie que mais está a migrar em busca de sobrevivência. Pode-se ver uma fotografia que mostra três emus na rua principal da cidade de Broken Hill, que vão devorando os jardins da localidade e das casas no trajeto.

Também coisa raramente vista são as caravanas de camelos que abandonaram a costa ocidental da Austrália e já percorreram centenas de quilómetros em busca de água e comida. Esta espécie nunca tinha ido tão longe e o modo como os agricultores os estão a receber é a tiro. A Austrália é o país que abriga o maior rebanho de camelos à solta do mundo, mais de 750 mil animais.

Segundo um porta-voz do grupo Salvamento e Reabilitação dos Animais nativos da Austrália, a instituição está a receber muitos telefonemas de habitantes de várias localidades a relatarem situações de animais de todo o género desesperados em busca de água e comida. Também existem várias situações em que os emus, por exemplo, são atacados por cães

As autoridades têm pedido para as pessoas não deixarem vasilhas com água e alimentos perto das autoestradas para evitar que os animais causem acidentes. Outra das preocupações das autoridades diz respeito aos turistas que se deparam com bandos de animais selvagens e não sabem como se comportarem perante eles.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.