96 dias depois, chega ao fim cerimónia religiosa para proteger refugiados

Começou a 26 de outubro e terminou na quarta-feira a vigília na igreja de Bethel, em Haia, feita para evitar a deportação de uma família arménia. O Governo aceitou reavaliar o seu processo, como o de outras 700 famílias

Ao longo de mais de três meses cerca de mil padres e pastores passaram pela igreja de Bethel, na cidade holandesa de Haia, naquela que foi uma das mais longas cerimónias religiosas de que há registo. A razão da sua duração, de 96 dias, é uma família de refugiados que iria ser sujeita a deportação.

Ancorada numa lei holandesa que proíbe a polícia de interromper cerimónias religiosas, a vigília começou a 26 de outubro e terminou na tarde de quarta-feira, conta o New York Times , depois de confirmarem à organização que aquela família arménia, os Tamrazyan, poderia continuar no país. A decisão veio de um compromisso entre os quatro partidos que formam a coligação governativa, que concordaram em reavaliar os casos de cerca de 700 famílias que iam ser deportadas.

"Isto é apenas o início", afirmou o pastor protestante Derk Stegeman, que se tornou porta-voz daquela família arménia, ao New York Times. "Espero que seja uma nova forma de ser uma igreja, uma nova forma de ter um impacto na sociedade, de defender as pessoas vulneráveis.

A vigília foi acompanhada por uma petição que reuniu mais de 250 mil assinaturas pedindo uma mudança na lei que, como àquela família arménia, poderia deportar muitas outras.

A família Tamrazyan é constituída pelos pais e três filhos de 21, 19 e 15 anos. Chegaram à Holanda em 2010 depois de fugirem daquilo que os seus advogados descrevem como perseguição política, adianta ainda o New York Times. Por duas vezes o Estado havia já tentado deportá-los. Não há ainda garantias de que tal não volte a acontecer, apenas que o caso será reavaliado.

"Não sabemos oficialmente se podemos ficar, porque o processo ainda tem de ser avaliado", disse a filha mais velha, Hayarpi, citada pela France Presse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.