Celebridades, deputados e cientistas para dar novo Voto ao Povo no brexit

Ator Patrick Stewart foi uma das 1200 pessoas que lançaram a campanha People"s Vote e pediu um segundo referendo

O brexit tem dia e hora marcada: 29 de março de 2019 às 23.00. Londres e Bruxelas esperam ter um acordo pronto até outubro sobre as condições da saída do Reino Unido da União Europeia, a tempo de ser votado pelos parlamentos britânico e europeu. Mas muitos no Reino Unido exigem voltar a ter uma palavra a dizer. E ontem lançaram uma nova campanha chamada People"s Vote (o Voto ao Povo), em que celebridades e empresários se juntam a vários deputados para pedir um novo referendo, desta vez ao acordo do brexit. Uma iniciativa que tanto o Partido Conservador da primeira-ministra Theresa May como os trabalhistas de Jeremy Corbyn têm rejeitado.

Um dos rostos mais conhecidos desta campanha - que reúne nove organizações, entre elas a Open Britain ou a Scientists for EU - é o ator Patrick Stewart. O capitão Jean-Luc Picard da série Star Trek: A Geração Seguinte esteve no programa de Andrew Marr na BBC ontem de manhã a explicar que quando os britânicos votaram a favor do brexit, no referendo de 23 de junho de 2016, "os termos e condições" apresentados para a saída eram "bastante diferentes" dos que estão agora em cima da mesa. Naquela consulta, o brexit venceu com 51,9% dos votos.

Recordando que o dia em que o Reino Unido aderiu à UE - a 1 de janeiro de 1973 - foi "um dos mais excitantes da minha vida como adulto", Stewart garantiu que se o povo britânico rejeitar o acordo com Bruxelas, então o Reino Unido "simplesmente ficará" na UE. Num artigo de opinião publicado no The Independent, o ator defendeu a necessidade de um segundo referendo porque "desde o referendo de 2016 tem havido um esforço concertado, incluindo por parte do governo, para calar o debate sobre o brexit e para nos convencer de que devemos simplesmente confiar nos ministros neste assunto. Eles dizem que o brexit é irreversível, e que não nos devemos preocupar com os custos e a complexidade de seguirmos este caminho, ou com as promessas quebradas".

Também no Andrew Marr Show, Boris Johnson respondeu à afirmação de Stewart de que o capitão Jean-Luc Picard seria a favor da permanência na UE usando uma das frases mais famosas de Star Trek. O ministro dos Negócios Estrangeiros garantiu que o brexit vai permitir ao Reino Unido "ir ousadamente" a zonas que tem negligenciado em busca de acordos comerciais. Uma referência à frase dita pela personagem de Stewart no início de cada episódio da série - "ir ousadamente onde ninguém foi antes".

O lançamento do People"s Vote reuniu ontem cerca de 1200 pessoas no bairro londrino de Cam-den, entre elas os deputados Caroline Lucas, colíder dos Verdes, Chuka Umunna, do Partido Trabalhista, e Layla Moran, dos liberais-democratas. "Faremos tudo o que pudermos no Parlamento para garantir um voto popular. Este assunto é demasiado importante para ficar nas mãos dos políticos", garantiu Lucas. Por isso mesmo o People"s Vote conta com personalidades de áreas muito diferentes, atores como Stewart, mas também empresários como Richard Reed, fundador da Innocent Drinks, economistas como Mariana Mazzucato ou cientistas como o neurologista Malcolm Macleod.

Em finais de janeiro, uma sondagem do instituto ICM para o jornal The Guardian revelava que 47% dos inquiridos eram favoráveis à realização de um segundo referendo sobre o brexit, contra 34% que se opunham à ideia.

As negociações para o brexit começaram a 29 de março de 2017, após o Reino Unido acionar o artigo 50 do Tratado de Lisboa, e têm uma duração de dois anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.