Celebridades, deputados e cientistas para dar novo Voto ao Povo no brexit

Ator Patrick Stewart foi uma das 1200 pessoas que lançaram a campanha People"s Vote e pediu um segundo referendo

O brexit tem dia e hora marcada: 29 de março de 2019 às 23.00. Londres e Bruxelas esperam ter um acordo pronto até outubro sobre as condições da saída do Reino Unido da União Europeia, a tempo de ser votado pelos parlamentos britânico e europeu. Mas muitos no Reino Unido exigem voltar a ter uma palavra a dizer. E ontem lançaram uma nova campanha chamada People"s Vote (o Voto ao Povo), em que celebridades e empresários se juntam a vários deputados para pedir um novo referendo, desta vez ao acordo do brexit. Uma iniciativa que tanto o Partido Conservador da primeira-ministra Theresa May como os trabalhistas de Jeremy Corbyn têm rejeitado.

Um dos rostos mais conhecidos desta campanha - que reúne nove organizações, entre elas a Open Britain ou a Scientists for EU - é o ator Patrick Stewart. O capitão Jean-Luc Picard da série Star Trek: A Geração Seguinte esteve no programa de Andrew Marr na BBC ontem de manhã a explicar que quando os britânicos votaram a favor do brexit, no referendo de 23 de junho de 2016, "os termos e condições" apresentados para a saída eram "bastante diferentes" dos que estão agora em cima da mesa. Naquela consulta, o brexit venceu com 51,9% dos votos.

Recordando que o dia em que o Reino Unido aderiu à UE - a 1 de janeiro de 1973 - foi "um dos mais excitantes da minha vida como adulto", Stewart garantiu que se o povo britânico rejeitar o acordo com Bruxelas, então o Reino Unido "simplesmente ficará" na UE. Num artigo de opinião publicado no The Independent, o ator defendeu a necessidade de um segundo referendo porque "desde o referendo de 2016 tem havido um esforço concertado, incluindo por parte do governo, para calar o debate sobre o brexit e para nos convencer de que devemos simplesmente confiar nos ministros neste assunto. Eles dizem que o brexit é irreversível, e que não nos devemos preocupar com os custos e a complexidade de seguirmos este caminho, ou com as promessas quebradas".

Também no Andrew Marr Show, Boris Johnson respondeu à afirmação de Stewart de que o capitão Jean-Luc Picard seria a favor da permanência na UE usando uma das frases mais famosas de Star Trek. O ministro dos Negócios Estrangeiros garantiu que o brexit vai permitir ao Reino Unido "ir ousadamente" a zonas que tem negligenciado em busca de acordos comerciais. Uma referência à frase dita pela personagem de Stewart no início de cada episódio da série - "ir ousadamente onde ninguém foi antes".

O lançamento do People"s Vote reuniu ontem cerca de 1200 pessoas no bairro londrino de Cam-den, entre elas os deputados Caroline Lucas, colíder dos Verdes, Chuka Umunna, do Partido Trabalhista, e Layla Moran, dos liberais-democratas. "Faremos tudo o que pudermos no Parlamento para garantir um voto popular. Este assunto é demasiado importante para ficar nas mãos dos políticos", garantiu Lucas. Por isso mesmo o People"s Vote conta com personalidades de áreas muito diferentes, atores como Stewart, mas também empresários como Richard Reed, fundador da Innocent Drinks, economistas como Mariana Mazzucato ou cientistas como o neurologista Malcolm Macleod.

Em finais de janeiro, uma sondagem do instituto ICM para o jornal The Guardian revelava que 47% dos inquiridos eram favoráveis à realização de um segundo referendo sobre o brexit, contra 34% que se opunham à ideia.

As negociações para o brexit começaram a 29 de março de 2017, após o Reino Unido acionar o artigo 50 do Tratado de Lisboa, e têm uma duração de dois anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.