Casos de assédio e abuso sexual são só "a ponta do icebergue"

Responsável da ONU disse que a acusação e punição de homens antes considerados "intocáveis" é um momento importante

A diretora executiva da agência das Nações Unidas responsável pela igualdade de género considerou hoje que os casos de assédio e abuso sexual que têm vindo a público são apenas "a ponta do icebergue".

Phumzile Mlambo-Ngcuka disse, numa entrevista à Associated Press a propósito do Dia Internacional da Mulher, que hoje se assinala, que o número de mulheres que vieram a público denunciar os casos é pequeno e o número de homens que foram acusados é limitado, quando comparado com o número dos que não foram expostos.

No entanto, disse que a acusação e punição de homens antes considerados "intocáveis" é um momento importante e afirmou que, no mínimo, há a possibilidade de reduzir e suspender a continuação do abuso, porque os agressores agora sabem que "há mesmo uma possibilidade de a vítima contar".

"É um ponto de inversão e um momento crítico para todos", disse Mlambo-Ngcuka, diretora executiva da ONU Mulheres, sublinhando que o importante é garantir "que o pêndulo não volta para trás".

Na entrevista, Mlambo-Ngcuka recordou que nenhum país do mundo alcançou ainda a equidade de género, exemplificando que mesmo na Islândia, que tem os mais altos níveis de consciência sobre igualdade de género, a violência contra as mulheres é um problema, a desigualdade salarial existe e a sub-representação das mulheres em cargos de decisão é um facto.

O tema deste Dia Internacional da Mulher é "O tempo é agora: ativistas rurais e urbanas transformam a vida das mulheres".

Para manter a atenção do mundo no movimento #MeToo, surgido depois das denúncias públicas de assédio e abuso sexual por parte do produtor Harvey Weinstein, ativistas deste movimento foram convidadas a participar nas cerimónias na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, disse Mlambo-Ngcuka.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.