Casos de assédio e abuso sexual são só "a ponta do icebergue"

Responsável da ONU disse que a acusação e punição de homens antes considerados "intocáveis" é um momento importante

A diretora executiva da agência das Nações Unidas responsável pela igualdade de género considerou hoje que os casos de assédio e abuso sexual que têm vindo a público são apenas "a ponta do icebergue".

Phumzile Mlambo-Ngcuka disse, numa entrevista à Associated Press a propósito do Dia Internacional da Mulher, que hoje se assinala, que o número de mulheres que vieram a público denunciar os casos é pequeno e o número de homens que foram acusados é limitado, quando comparado com o número dos que não foram expostos.

No entanto, disse que a acusação e punição de homens antes considerados "intocáveis" é um momento importante e afirmou que, no mínimo, há a possibilidade de reduzir e suspender a continuação do abuso, porque os agressores agora sabem que "há mesmo uma possibilidade de a vítima contar".

"É um ponto de inversão e um momento crítico para todos", disse Mlambo-Ngcuka, diretora executiva da ONU Mulheres, sublinhando que o importante é garantir "que o pêndulo não volta para trás".

Na entrevista, Mlambo-Ngcuka recordou que nenhum país do mundo alcançou ainda a equidade de género, exemplificando que mesmo na Islândia, que tem os mais altos níveis de consciência sobre igualdade de género, a violência contra as mulheres é um problema, a desigualdade salarial existe e a sub-representação das mulheres em cargos de decisão é um facto.

O tema deste Dia Internacional da Mulher é "O tempo é agora: ativistas rurais e urbanas transformam a vida das mulheres".

Para manter a atenção do mundo no movimento #MeToo, surgido depois das denúncias públicas de assédio e abuso sexual por parte do produtor Harvey Weinstein, ativistas deste movimento foram convidadas a participar nas cerimónias na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, disse Mlambo-Ngcuka.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.