Cartoon de Serena a fazer uma birra acusado de ser racista e sexista

Cartoonista australiano Mark Knight desenhou a tenista como uma criança a fazer uma birra em pleno court

Como um bebé que está a fazer uma birra, assim é retratada a tenista Serena Williams no cartoon de Mark Knight: a saltar em cima da sua raquete partida e uma chupeta caída no chão ao seu lado. Ao fundo, vê-se o juiz da partida a dizer à adversária: "Por favor, pode deixá-la ganhar?"

Por causa deste desenho, publicado no The Herald Sun , o jornal mais lido da Austrália, o cartoonista australiano Mark Knight já foi acusado de racismo e sexismo. Além disso, também foi acusado "branquear" a adversária de Serena, Osaka, que aqui aparece de pele clara e cabelo loiro.

Uma das críticas veio da escritora J.K. Rowling, autora dos livros de Harry Potter:

E também houve quem reparasse que a imagem de Serena faz lembrar (e muito) os negros eram caricaturados em tempos passados, como por exemplo os do livro infantil de 1899, The Story of Little Black Sambo :

No entanto, Mark Knight argumentou que não conhecia os desenhos. "O mundo está a enlouquecer", comentou. "O cartoon era apenas sobre Serena no dia em que ela fez uma birra. Só isso", disse à Australian Broadcasting Corporation. Knight também recusou a acusação de que nunca faria um desenho do mesmo género de um homem. E, a prová-lo, lembrou o cartoon que fez recentemente do tenista Nick Kyrgios a levar um puxão de orelhas, como se fosse uma criança.

Entretanto, vários ilustradores e cartoonistas também vieram defender Mark Knight. Por exemplo, o editor do jornal, Damon Johnston, explicou que o desenho "goza justamente com o mau comportamento de uma lenda do ténis":

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.