Cartoon de Serena a fazer uma birra acusado de ser racista e sexista

Cartoonista australiano Mark Knight desenhou a tenista como uma criança a fazer uma birra em pleno court

Como um bebé que está a fazer uma birra, assim é retratada a tenista Serena Williams no cartoon de Mark Knight: a saltar em cima da sua raquete partida e uma chupeta caída no chão ao seu lado. Ao fundo, vê-se o juiz da partida a dizer à adversária: "Por favor, pode deixá-la ganhar?"

Por causa deste desenho, publicado no The Herald Sun , o jornal mais lido da Austrália, o cartoonista australiano Mark Knight já foi acusado de racismo e sexismo. Além disso, também foi acusado "branquear" a adversária de Serena, Osaka, que aqui aparece de pele clara e cabelo loiro.

Uma das críticas veio da escritora J.K. Rowling, autora dos livros de Harry Potter:

E também houve quem reparasse que a imagem de Serena faz lembrar (e muito) os negros eram caricaturados em tempos passados, como por exemplo os do livro infantil de 1899, The Story of Little Black Sambo :

No entanto, Mark Knight argumentou que não conhecia os desenhos. "O mundo está a enlouquecer", comentou. "O cartoon era apenas sobre Serena no dia em que ela fez uma birra. Só isso", disse à Australian Broadcasting Corporation. Knight também recusou a acusação de que nunca faria um desenho do mesmo género de um homem. E, a prová-lo, lembrou o cartoon que fez recentemente do tenista Nick Kyrgios a levar um puxão de orelhas, como se fosse uma criança.

Entretanto, vários ilustradores e cartoonistas também vieram defender Mark Knight. Por exemplo, o editor do jornal, Damon Johnston, explicou que o desenho "goza justamente com o mau comportamento de uma lenda do ténis":

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.