Capital vietnamita quer tirar o cão da ementa

Comité Popular de Hanói pede aos habitantes que acabem com tradição que afeta "imagem civilizada e moderna" da cidade e coloca riscos em termos de saúde pública

O Comité Popular de Hanói, capital do Vietname, lançou um apelo aos residentes para que parem de consumir carne de cão e gato, explicando que a manutenção deste hábito pode afetar a "imagem civilizada e moderna" que a cidade quer projetar para o exterior e também contribui para o risco de serem contraídas doenças como a raiva e a leptospirose.

De acordo com a BBC existem ainda mais de mil lojas na capital que vendem carne de cão. O gato também é vendido para consumo humano, embora o seu consumo seja menos popular. Os apelos do Comité Popular fez também referência à forma cruel como os animais são abatidos.

O consumo de carne de cão começa a ganhar alguma oposição no país mas continua a ser uma tradição fortemente enraizada. Há quem defenda que seja banido por inteiro e quem proponha soluções intermédias, como a introdução de impostos mais elevados sobre a carne deste animal.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.