Cães ajudam a encontrar cinzas de familiares perdidas nos incêndios da Califórnia

Método usado para identificar cemitérios com milhares de anos está a ser útil para encontrar cinzas de entes queridos perdidas nos incêndios da Califórnia. Serviço é oferecido gratuitamente às vítimas

Judy Morris perdeu as cinzas do marido, que guardava numa urna de porcelana, num incêndio que destruiu milhares de casas em Santa Rosa, na Califórnia, no ano passado. Uma semana depois, aceitou reunir-se com uma equipa de arqueólogos, treinadores e cães, que ofereciam serviços gratuitos para as vítimas dos incêndios. "Fiquei chocada porque as cinzas do meu marido foram encontradas no meio daquela confusão. Foi um milagre num período sombrio", disse ao WikiTribune, dez meses após a tragédia.

De acordo com a mesma publicação, os cães estão a ser usados para encontrar cinzas de entes queridos que se perderam na sequência dos incêndios na Califórnia.

Lynne Engelbert e Piper, um cão da raça border collie, deixaram de trabalhar nas operações de busca e salvamento devido à exigência física, que, segundo Lynne, já não se adequava à sua idade.

No Institute of Canine Forensics (ICF), Piper recebe treino para localizar restos mortais de pessoas que morreram há muitos anos. Até mesmo há alguns séculos, segundo o WikiTribune. Uma especialidade que é conhecida como "Historic Human Remains Detection" (deteção histórica de restos humanos, em português) e que ajuda sobretudo os arqueólogos a identificar cemitérios de índios americanos espalhados pela Califórnia.

"Nós nunca perdemos o nosso cheiro humano", explica Lynne, destacando que os cães treinados no ICF são capazes de identificar cremações feitas há milhares de anos.

No ano passado, Lynne e Piper foram para o terreno após os incêndios, mas já não foram procurar corpos carbonizados como outrora. Desta vez, as equipas do ICF foram ajudar as vítimas dos incêndios na identificação das cinzas dos seus familiares, que foram cremados muito antes dos incêndios florestais.

Como milhares de casas foram destruídas, o WikiTribune conta que o instituto recebeu inúmeros pedidos para identificar cinzas. Agora, Lynne Engelbert prepara-se para viajar até Redding, na Califórnia, onde o terceiro maior incêndio do estado em 2018 destruiu mais de mil casas.

Cheiram o osso

Enquanto os cães que procuram cadáveres farejam o tecido em decomposição ou o suor de alguém que ainda está vivo, estes animais são treinados para identificar o cheiro do osso e, assim, identificar restos mortais. Contudo, diz a mesma publicação, o processo ainda não é claro, pois não são conhecidos os materiais que detetam.

Depois de os animais localizarem as cinzas, fica mais fácil para os humanos distinguir o que resulta de uma cremação, já que a poeira branca e cor de rosa diz respeito a carne e osso queimados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.