Cabo Verde quer elevar Tarrafal a Património Mundial

A ideia foi transmitida pelo ministro da Cultura de Cabo Verde, que admitiu a necessidade de "tirar conotações políticas" do Campo de Concentração utilizado pelo Governo português no Estado Novo

Abraão Vicente, ministro da Cultura de Cabo Verde, disse esta terça-feira que o Campo de Concentração do Tarrafal, utilizado pelo Governo português do Estado Novo como prisão política, tem "todas as condições" para ser Património Mundial, mas considerou que é preciso "tirar as conotações políticas" do monumento.

"É preciso conceptualizar bem para não sermos superficiais no momento de apresentarmos uma candidatura a património da humanidade. Acredito que tem todas as condições para ser Património Mundial, mas colocar em cima da mesa todas as evidências, tirar as conotações políticas que podem haver, mas sermos rigorosos no momento de contar a história", afirmou o ministro.

Abraão Vicente falava aos jornalistas durante uma visita ao Campo de Concentração do Tarrafal de Santiago, cuja candidatura a Património Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) deverá ser apresentada no próximo ano, num processo em que Cabo Verde quer mobilizar a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Durante a visita, o ministro das Cultura e das Indústrias Criativas cabo-verdiano constatou in loco a primeira fase de reabilitação do Museu da Resistência do antigo Campo de Concentração do Tarrafal, enquadrada no projeto Museus de Cabo Verde.

Os trabalhos estão a ser realizados por técnicos do Instituto do Património Cultural (IPC), que vão implementar a nova proposta museológica e museográfica para o espaço.

Segundo o ministro Abraão Vicente, o projeto museológico vai permitir aos cabo-verdianos e aos turistas terem uma referência do período histórico em que foi fundado o campo de concentração do Tarrafal de Santiago.

O governante sublinhou também a importância das famílias que vivem no espaço, dizendo que há necessidade de ter um plano estratégico, mas também emocional para o seu realojamento e integração num plano de gestão futura do monumento.

O campo do Tarrafal, inaugurado em outubro de 1936, foi inspirado nos campos de concentração nazis, e nele morreram 32 presos políticos portugueses e dezenas de outros oriundos das então colónias de Portugal.

O monumento, que já é Património Cultural Nacional, consta da lista indicativa a Património Mundial da Unesco desde 2003.

Além do Campo do Tarrafal, o projeto Museus de Cabo Verde prevê, numa primeira fase, a reabilitação e redefinição museológica e museográfica de mais quatro estruturas: Museu do Sal (ilha do Sal), Museu da Pesca (São Nicolau), Museu do Mar (ilha de São Vicente) e o Museu da Tabanca (ilha de Santiago).

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?