Brexit: sete alternativas se deputados rejeitarem acordo de May

A primeira-ministra estará a considerar dar aos deputados várias opções de escolha, para indicarem qual a solução que preferem. União Europeia aceitou adiar o Brexit até 22 de maio se aprovarem o acordo na próxima semana. Caso contrário Londres terá de apresentar uma alternativa até dia 12 de abril.

Os deputados britânicos vão ser chamados novamente, na próxima semana, a votar o acordo de Brexit negociado por Theresa May com a União Europeia mas, caso este seja rejeitado pela terceira vez, o governo estará a pensar oferecer-lhes sete alternativas e voto livre para poderem dizer qual a solução que preferem.

Revogar o artigo 50, um segundo referendo, o acordo da primeira-ministra, esse acordo mais uma união aduaneira, o acordo, a união aduaneira e o acesso ao mercado único, um acordo de livre comércio normal ou um Brexit sem acordo. Segundo a Sky News serão estas as opções que o governo poderá colocar em cima da mesa dos deputados.

Para o deputado conservador Steve Baker, vice-presidente do European Research Group, estes votos "indicativos" são uma "humilhação nacional".

O executivo está cada vez mais convencido de que será impossível aprovar o acordo, que já foi rejeitado em duas ocasiões -- a primeira vez por um recorde de 230 votos de diferença. De acordo com a Sky News, Downing Street está em "modo de pânico".

A União Europeia aceitou adiar o Brexit até 22 de maio se os deputados britânicios aprovarem o acordo de May na próxima semana. Caso isso não aconteça, Londres tem até 12 de abril para indicar "um caminho a seguir, para que seja analisado pelo Conselho Europeu". Já esta sexta-feira, após o final do encontro dos líderes europeus em Bruxelas, lembraram que o acordo de saída não é renegociável e que se o Reino Unido estiver na União Europeia a partir de 23 de maio, terá que realizar eleições europeias.

Segundo o deputado conservador Mark Francois, depois do discurso de quarta-feira à noite de May (no qual ela acusou os deputados de serem os responsáveis pelo adiamento do Brexit) é menos provável que a primeira-ministra consiga que este seja aprovado à terceira votação vinculativa.

Em declarações à jornalista Beth Rigby, da Sky News, o deputado disse que alguns colegas que votaram a favor do acordo na segunda votação, agora vão voltar a votar contra. Questionado sobre se a primeira-ministra estaria no cargo a 12 de abril, acrescentou: "Suspeito que não."

O subsecretário de Estado para o Brexit, Kwasi Kwarteng, disse esta sexta-feira no Parlamento britânico que seria "surpreendente" se os deputados conservadores não tivessem liberdade de voto nas opções que possam estar em cima da mesa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.