"Reino Unido tem mais um problema consigo próprio do que com a UE"

O ministro dos Negócios Estrangeiros defendeu esta terça-feira que o Reino Unido tem mais um problema consigo próprio do que com a União Europeia, após não ter ouvido a esperada proposta concreta de Theresa May na segunda-feira no parlamento britânico.

"Na minha opinião pessoal, o Reino Unido tem mais um problema consigo próprio do que com a União Europeia (UE), mas nós não podemos resolver o problema do Reino Unido consigo próprio, só podemos resolver o problema do Reino Unido com a UE", considerou.

Augusto Santos Silva, que falava aos jornalistas em Bruxelas no final de uma reunião ministerial da UE com a União Africana, constatou, ao ouvir a intervenção de Theresa May no Parlamento na segunda-feira, que o plano apresentado pela primeira-ministra britânica pode ser resumido numa frase: "é o plano para realizar reuniões para que possa haver um plano que possa ser aceite na Câmara dos Comuns".

"Vamos aguardar para saber se essas reuniões são frutíferas e se pode haver um plano que seja apresentado à UE", acrescentou, recordando que a UE está, desde 15 de dezembro, à espera que tal aconteça.

O chefe da diplomacia portuguesa não excluiu uma eventual reabertura das negociações, fazendo-a depender da proposta que será apresentada pelo Governo britânico.

"Se a sagacidade britânica conseguir encontrar uma proposta substantiva que nos faça alterar uma posição óbvia da nossa parte, que é que o acordo de saída é o único possível nas condições do Reino Unido, nós veremos. Mas para isso é preciso que haja uma proposta, e ontem ainda não saiu nenhuma", completou.

Santos Silva voltou a insistir que se o Reino Unido mudar as suas condições de partida, as chamadas linhas vermelhas, "evidentemente que haverá uma razão para renegociação".

"Mas a primeira-ministra, se eu a compreendi bem ontem, foi clara em insistir nas suas linhas vermelhas", analisou.

O ministro salientou, no entanto, o avanço notado na segunda-feira no discurso de Theresa May relativamente aos direitos dos cidadãos.

"Tornou a dizer de forma mais clara e por escrito que mesmo não havendo acordo de saída ela considera que a parte relativa aos direitos dos cidadãos é vinculativa [...] Tomou uma medida muito interessante: isentar de qualquer custo o ato de regularização ou renovação da residência de cidadãos no Reino Unido. Aí houve avanços significativos", estimou.

Theresa May anunciou na segunda-feira no parlamento que quer renegociar com a UE a solução de salvaguarda para a Irlanda do Norte contestada por deputados conservadores e unionistas, assim como a decisão de recuar na intenção de cobrar as taxas de candidatura dos cidadãos europeus ao estatuto de residente permanente no Reino Unido na sequência do 'Brexit'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?