Boris Johnson compara planos de Theresa May para o brexit a um "colete suicida"

O antigo responsável pela pasta dos Negócios Estrangeiros lamenta que a chefe de governo tenha cedido em vez de lutar para o Reino Unido conseguir um "gigantesco e generoso acordo de comércio livre".

O ex-ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, Boris Johnson, comparou este domingo os planos da primeira-ministra britânica, Theresa May, para a saída daquele país da União Europeia, o chamado brexit, a um "colete suicida".

"Nós sujeitámo-nos a uma chantagem política perpétua [...]. Pusemos um colete suicida na constituição britânica e entregámos o detonador a Michel Barnier [negociador da União Europeia para o brexit]", escreve Boris Johnson num artigo de opinião divulgado pelo Daily Mail.

Para Boris Johnson, o Reino Unido parece um "insignificante" de 45 quilos "vergado perante um gorila de uma tonelada"

Numa alusão à anuência de Theresa May sobre as exigências de Bruxelas, nomeadamente as que são relativas às fronteiras do Reino Unido, Boris Johnson lamenta que a chefe de Governo tenha cedido em vez de lutar para o Reino Unido conseguir um "gigantesco e generoso acordo de comércio livre".

"Em todas as etapas das conversações, até agora, Bruxelas tem conseguido o que quer. Concordámos [Reino Unido] com o calendário da União Europeia, aceitámos entregar 39 mil milhões de libras [cerca de 44 mil milhões de euros] por nada em troca" e "estamos dispostos a aceitar as regras" sobre as fronteiras, enumera o antigo governante.

Para Boris Johnson, isto "é uma humilhação", já que o Reino Unido parece um "insignificante" de 45 quilos "vergado perante um gorila de uma tonelada".

Em julho passado, Boris Johnson, assim como o até então negociador britânico, Davis Davis demitiram-se em desacordo com a forma como estão a decorrer as negociações para a concretização da saída do Reino Unido da União Europeia.

Boris Johnson foi substituído pelo anterior ministro da Saúde do Reino Unido, Jeremy Hunt.

A demissão de Boris Johnson aumentou a pressão sobre a primeira-ministra, Theresa May, alvo de críticas de alguns deputados a favor de um "divórcio" mais radical com a União Europeia.

Também vários deputados que apoiam o brexit já se manifestaram insatisfeitos com o plano, mas, por enquanto, ainda não foi iniciado nenhum processo para forçar a demissão de Theresa May.

Ministro de Estado para a Europa, Alan Duncan, condenou as palavras usadas por Boris Johnson

O comentário divulgado este domingo gerou, contudo, polémica junto de alguns responsáveis políticos da ala conservadora, com ministro de Estado para a Europa no país, Alan Duncan, a condenar as palavras usadas por Boris Johnson.

Através da rede social 'Twitter', Alan Duncan argumentou que os comentários equivalem "a um dos momentos mais repugnantes da política britânica moderna" e deveriam ser "o fim político" do ex-ministro nos Negócios Estrangeiros.

Faltam menos de nove meses até que o Reino Unido efetue a saída da União Europeia em 29 de março de 2019, cujas negociações sobre os termos do divórcio e do relacionamento posterior estão num impasse.

As duas partes tinham indicado outubro como um prazo para chegar a um entendimento para que o acordo possa ser ratificado pelos diferentes parlamentos nacionais dos 27.

O Reino Unido vai deixar a União Europeia em 29 de março de 2019, dois anos após o lançamento oficial do processo de saída, e quase três anos após o referendo de 23 de junho de 2016 que viu 52% dos britânicos votarem a favor do 'Brexit'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.