Boris Johnson compara planos de Theresa May para o brexit a um "colete suicida"

O antigo responsável pela pasta dos Negócios Estrangeiros lamenta que a chefe de governo tenha cedido em vez de lutar para o Reino Unido conseguir um "gigantesco e generoso acordo de comércio livre".

O ex-ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, Boris Johnson, comparou este domingo os planos da primeira-ministra britânica, Theresa May, para a saída daquele país da União Europeia, o chamado brexit, a um "colete suicida".

"Nós sujeitámo-nos a uma chantagem política perpétua [...]. Pusemos um colete suicida na constituição britânica e entregámos o detonador a Michel Barnier [negociador da União Europeia para o brexit]", escreve Boris Johnson num artigo de opinião divulgado pelo Daily Mail.

Para Boris Johnson, o Reino Unido parece um "insignificante" de 45 quilos "vergado perante um gorila de uma tonelada"

Numa alusão à anuência de Theresa May sobre as exigências de Bruxelas, nomeadamente as que são relativas às fronteiras do Reino Unido, Boris Johnson lamenta que a chefe de Governo tenha cedido em vez de lutar para o Reino Unido conseguir um "gigantesco e generoso acordo de comércio livre".

"Em todas as etapas das conversações, até agora, Bruxelas tem conseguido o que quer. Concordámos [Reino Unido] com o calendário da União Europeia, aceitámos entregar 39 mil milhões de libras [cerca de 44 mil milhões de euros] por nada em troca" e "estamos dispostos a aceitar as regras" sobre as fronteiras, enumera o antigo governante.

Para Boris Johnson, isto "é uma humilhação", já que o Reino Unido parece um "insignificante" de 45 quilos "vergado perante um gorila de uma tonelada".

Em julho passado, Boris Johnson, assim como o até então negociador britânico, Davis Davis demitiram-se em desacordo com a forma como estão a decorrer as negociações para a concretização da saída do Reino Unido da União Europeia.

Boris Johnson foi substituído pelo anterior ministro da Saúde do Reino Unido, Jeremy Hunt.

A demissão de Boris Johnson aumentou a pressão sobre a primeira-ministra, Theresa May, alvo de críticas de alguns deputados a favor de um "divórcio" mais radical com a União Europeia.

Também vários deputados que apoiam o brexit já se manifestaram insatisfeitos com o plano, mas, por enquanto, ainda não foi iniciado nenhum processo para forçar a demissão de Theresa May.

Ministro de Estado para a Europa, Alan Duncan, condenou as palavras usadas por Boris Johnson

O comentário divulgado este domingo gerou, contudo, polémica junto de alguns responsáveis políticos da ala conservadora, com ministro de Estado para a Europa no país, Alan Duncan, a condenar as palavras usadas por Boris Johnson.

Através da rede social 'Twitter', Alan Duncan argumentou que os comentários equivalem "a um dos momentos mais repugnantes da política britânica moderna" e deveriam ser "o fim político" do ex-ministro nos Negócios Estrangeiros.

Faltam menos de nove meses até que o Reino Unido efetue a saída da União Europeia em 29 de março de 2019, cujas negociações sobre os termos do divórcio e do relacionamento posterior estão num impasse.

As duas partes tinham indicado outubro como um prazo para chegar a um entendimento para que o acordo possa ser ratificado pelos diferentes parlamentos nacionais dos 27.

O Reino Unido vai deixar a União Europeia em 29 de março de 2019, dois anos após o lançamento oficial do processo de saída, e quase três anos após o referendo de 23 de junho de 2016 que viu 52% dos britânicos votarem a favor do 'Brexit'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.