Boris Johnson compara planos de Theresa May para o brexit a um "colete suicida"

O antigo responsável pela pasta dos Negócios Estrangeiros lamenta que a chefe de governo tenha cedido em vez de lutar para o Reino Unido conseguir um "gigantesco e generoso acordo de comércio livre".

O ex-ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, Boris Johnson, comparou este domingo os planos da primeira-ministra britânica, Theresa May, para a saída daquele país da União Europeia, o chamado brexit, a um "colete suicida".

"Nós sujeitámo-nos a uma chantagem política perpétua [...]. Pusemos um colete suicida na constituição britânica e entregámos o detonador a Michel Barnier [negociador da União Europeia para o brexit]", escreve Boris Johnson num artigo de opinião divulgado pelo Daily Mail.

Para Boris Johnson, o Reino Unido parece um "insignificante" de 45 quilos "vergado perante um gorila de uma tonelada"

Numa alusão à anuência de Theresa May sobre as exigências de Bruxelas, nomeadamente as que são relativas às fronteiras do Reino Unido, Boris Johnson lamenta que a chefe de Governo tenha cedido em vez de lutar para o Reino Unido conseguir um "gigantesco e generoso acordo de comércio livre".

"Em todas as etapas das conversações, até agora, Bruxelas tem conseguido o que quer. Concordámos [Reino Unido] com o calendário da União Europeia, aceitámos entregar 39 mil milhões de libras [cerca de 44 mil milhões de euros] por nada em troca" e "estamos dispostos a aceitar as regras" sobre as fronteiras, enumera o antigo governante.

Para Boris Johnson, isto "é uma humilhação", já que o Reino Unido parece um "insignificante" de 45 quilos "vergado perante um gorila de uma tonelada".

Em julho passado, Boris Johnson, assim como o até então negociador britânico, Davis Davis demitiram-se em desacordo com a forma como estão a decorrer as negociações para a concretização da saída do Reino Unido da União Europeia.

Boris Johnson foi substituído pelo anterior ministro da Saúde do Reino Unido, Jeremy Hunt.

A demissão de Boris Johnson aumentou a pressão sobre a primeira-ministra, Theresa May, alvo de críticas de alguns deputados a favor de um "divórcio" mais radical com a União Europeia.

Também vários deputados que apoiam o brexit já se manifestaram insatisfeitos com o plano, mas, por enquanto, ainda não foi iniciado nenhum processo para forçar a demissão de Theresa May.

Ministro de Estado para a Europa, Alan Duncan, condenou as palavras usadas por Boris Johnson

O comentário divulgado este domingo gerou, contudo, polémica junto de alguns responsáveis políticos da ala conservadora, com ministro de Estado para a Europa no país, Alan Duncan, a condenar as palavras usadas por Boris Johnson.

Através da rede social 'Twitter', Alan Duncan argumentou que os comentários equivalem "a um dos momentos mais repugnantes da política britânica moderna" e deveriam ser "o fim político" do ex-ministro nos Negócios Estrangeiros.

Faltam menos de nove meses até que o Reino Unido efetue a saída da União Europeia em 29 de março de 2019, cujas negociações sobre os termos do divórcio e do relacionamento posterior estão num impasse.

As duas partes tinham indicado outubro como um prazo para chegar a um entendimento para que o acordo possa ser ratificado pelos diferentes parlamentos nacionais dos 27.

O Reino Unido vai deixar a União Europeia em 29 de março de 2019, dois anos após o lançamento oficial do processo de saída, e quase três anos após o referendo de 23 de junho de 2016 que viu 52% dos britânicos votarem a favor do 'Brexit'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)