Ações policiais contra "propaganda irregular" geram tensão em universidades

Polícias e fiscais de tribunais eleitorais desencadearam, nos últimos três dias, uma série de fiscalizações em universidades públicas brasileiras contra uma suposta propaganda eleitoral irregular, de acordo com a imprensa brasileira

As ações levadas a cabo pela Justiça Eleitoral despertaram a reação da comunidade académica e de entidades da sociedade civil brasileira, que consideram os acontecimentos como atos de censura.

No Rio de Janeiro, a Justiça ordenou que a Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF) retirasse da fachada uma bandeira com a mensagem "Direito UFF Antifascista".

A bandeira chegou a ser removida na terça-feira, sem que houvesse mandado judicial, mas foi posteriormente recolocada por alunos, segundo o jornal Folha de São Paulo.

A decisão judicial, proferida após 12 denúncias recebidas contra a faixa, informou que esta teria "conteúdo de propaganda eleitoral negativa contra o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro [PSL]". No lugar da antiga bandeira, surgiu uma nova com a palavra "censurado".

Os estudantes, que negam ter feito propaganda político-partidária, irão manifestar-se durante o dia de hoje, ainda de acordo com o jornal brasileiro.

Em comunicado, a secção do Rio de Janeiro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) manifestou "repúdio" pelas "decisões da Justiça Eleitoral que tentam censurar a liberdade de expressão de estudantes e professores das faculdades de direito". A entidade afirma ainda que "a manifestação livre, não alinhada a candidatos e partidos, não pode ser confundida com propaganda eleitoral".

No Rio Grande do Sul, a Justiça Eleitoral impediu a realização de um evento denominado "Contra o Fascismo, Pela Democracia", alegando que este seria um ato eleitoral dentro de uma instituição federal.

Também no estado brasileiro de Paraíba, decorreram ações em três universidades. Na manhã desta quinta, polícias federais estiveram na sede da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Campina Grande. Cumpriam um mandado de busca e apreensão de panfletos denominados "Manifesto em defesa da democracia e da universidade pública", bem como outros supostos materiais a favor do candidato presidencial Fernando Haddad (Partido dos Trabalhadores).

A associação negou qualquer ato a favor de algum dos candidatos à Presidência e disse que se tratava de um manifesto em defesa da democracia.

A decisão sobre o próximo Presidente da República Federativa do Brasil está marcada para o próximo domingo, onde 147 milhões de brasileiros irão às urnas exercer o seu voto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.