"80% da comunidade portuguesa vai votar em Bolsonaro"

"A nossa comunidade, infelizmente, gosta mesmo de alguém que exiba muita força e que seja um novo Salazar", explica o presidente do Conselho Permanente das Comunidades Portuguesas no estrangeiro

Flávio Martins afirmou hoje que cerca de 80% da comunidade portuguesa a viver no Brasil vai votar em Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais de 07 de outubro.

"A grande maioria, eu diria que 80%, da nossa comunidade" no país "tem manifestado o apoio, e mesmo feito campanha, em torno candidato Jair Bolsonaro", disse o presidente do Conselho Permanente das Comunidades Portuguesas no estrangeiro. Eleito para este órgão pelo emigrantes portugueses no Brasil, Flávio Martins acrescentou que geograficamente essa tendência se tem sentido de norte a sul do país, em grandes estados como Rio de Janeiro, São Paulo ou Minas Gerais.

O presidente do órgão representativo dos portugueses emigrantes acredita que a concentração das intenções de voto no candidato da extrema-direita se deve, em parte, à insegurança sentida, ao "descontentamento geral com os partidos políticos tradicionais", mas também por questões históricas. "São pessoas que não foram habituadas a viver com a diversidade, com a democracia e com a diferença, e para mim isso está muito claro", disse.

A viver no Rio de Janeiro, Flávio Martins afirmou à agência Lusa não partilhar da mesma opinião da comunidade portuguesa, acerca do candidato Jair Bolsonaro.

"Pessoalmente, eu vejo isso muito mal [escolha de Bolsonaro para Presidente]. Primeiro porque ele se apresenta como um candidato novo e para mim não é. É igual aos outros. Em segundo, desconfio muito desse discurso do 'Brasil acima de todos' [lema de campanha de Bolsonaro], porque, inclusive, é um lema que se usava muito na Alemanha nazista", comparou.

Acrescentou ainda que desconfia muito do método defendido por Bolsonaro, de armar a população para resolver o problema da segurança. O conselheiro acredita que essa grande problemática que afeta o Brasil não irá ser resolvida pelo uso da força.

Flávio Martins comparou ainda Jair Bolsonaro ao ex-governante português António de Oliveira Salazar. "A nossa comunidade, infelizmente, gosta mesmo de alguém que exiba muita força e que seja um novo Salazar, ou algo parecido. Infelizmente, eu acho que o que vai acontecer é ele [Bolsonaro)] ter um grande apoio da quase totalidade das nossas comunidades aqui no Brasil."

À semelhança de Flávio Martins, também Fernando Haddad, candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) à Presidência brasileira, traçou comparações entre Bolsonaro e o antigo governo ditatorial português do Estado Novo.

"Acho que os portugueses que conhecem o salazarismo e sabem tudo de ruim que o fascismo traz para o mundo, deviam ficar preocupados com a eleição no Brasil", disse Haddad à imprensa portuguesa, durante um ato de campanha no Rio de Janeiro.

Flávio Martins acredita ainda que, caso Bolsonaro vença as eleições, o Brasil corre o risco de entrar numa "ditadura disfarçada", onde as "liberdades pessoais serão suprimidas".

O Conselho das Comunidades Portuguesas é o órgão consultivo do Governo para as políticas relativas às comunidades portuguesas no estrangeiro. É composto por 12 conselheiros das comunidades, e é liderado, pelo terceiro ano consecutivo, por Flávio Martins (Brasil), como presidente; Nelson Ponta Garça (Estados Unidos da América), na vice-presidência, e Manuel Coelho (Namíbia), como secretário.

O Brasil realiza no domingo eleições presidenciais, para o parlamento (Câmara dos Deputados e Senado) e para representantes dos governos regionais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.