Brasil em choque com imagens de marido que mata a mulher

No caso, que resultou na morte da advogada Tatiane Spitzer após queda de um quarto andar, o marido é acusado de homicídio com quatro agravantes. Número de mulheres vítimas de homicídio no ano passado no Brasil foi de 4539, um aumento de 6,1% em relação a 2016

O Brasil ainda está em choque depois das imagens das agressões de Luís Felipe Mainvailer, um biólogo e professor universitário, à mulher, a advogada Tatiane Spitzer, terem sido divulgadas pelas televisões nacionais do país. Ontem, Mainvailer foi formalmente acusado dos crimes de homicídio com quatro agravantes - meio cruel, dificultar a defesa da vítima, motivo torpe e feminicídio -, de cárcere privado e de fraude processual.

Tatiane, de 29 anos, foi encontrada morta na madrugada do dia 22 de julho, em Guarapuava, cidade do Paraná, depois de cair do quarto andar do prédio onde vivia com Mainvailer, de 32.

O marido foi detido naquela manhã após sofrer um acidente de automóvel a 340 quilómetros do local, próximo da fronteira com o Paraguai. No dia 31 de julho foi indiciado pela polícia por homicídio. Em depoimento negou a autoria do crime, sustentando que fora suicídio, e que o acidente de viação se deveu "à visão constante dela a jogar-se da varanda".

Foi então que as imagens gravadas por câmaras de segurança do prédio foram tornadas públicas. Nelas, vê-se Mainvailer, que voltava de carro no início da madrugada da sua festa de aniversário, a agredir Tatiane ainda na viatura. Depois, as agressões e perseguições sucedem-se na garagem do edifício e no elevador. Mais tarde, já depois da queda do quarto andar que motivou a morte de Tatiane, o suspeito arrasta o corpo da mulher e tenta, visivelmente desesperado, limpar imagens de sangue do elevador.

O pai da vítima relatou indícios de agressões noutras ocasiões. Uma amiga mostrou à polícia mensagens de Tatiane a queixar-se do comportamento do marido e a equacionar o pedido de divórcio. O irmão de Manvailer, no entanto, garante que o casamento era feliz.

A perícia realizada no local do crime constatou uma fratura no pescoço de Tatiane, o que pressupõe asfixia.

A defesa alerta para o facto de todas as teses levantadas serem, por enquanto, meramente especulativas e já pediu a transferência de Manvailer para atendimento psiquiátrico urgente, uma vez que o detido tentou o suicídio na cela.

Mais de 600 casos de violência doméstica por dia em 2017

De acordo com o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, o Brasil teve registo de 221 238 casos de violência doméstica em 2017. Os números devem, contudo, ser ainda maiores, uma vez que vários órgãos regionais não forneceram dados ao Anuário.

Este conclui ainda que o número de mulheres vítimas de homicídio no ano passado foi de 4539, um aumento de 6,1% em relação a 2016. Destas, mais de 1100 foram vítimas de feminicídio.

O número de assassínio também bateu recordes no ano passado. Foram registadas 63 619 mortes violentas, um aumento de 2,9% em relação a 2016.

Em São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.