Bono Vox: "Estamos juntos em mares agitados pelo clima extremo e pela política extremista"

O vocalista dos U2, horas depois de ter publicado um artigo num jornal alemão, visitou a chanceler num encontro confidencial em que a Europa esteve em cima da mesa.

O encontro demorou 45 minutos mas Bono Vox, vocalista dos U2, e Angela Merkel falaram, segundo fontes próximas da chanceler, do projeto europeu.

A visita de Bono a Angela Merkel aconteceu no mesmo dia em que o músico irlandês publicou um artigo no jornal alemão Frankfurter Allgemeine, no qual reflete sobre o futuro e as ameaças à União Europeia.

Angela Merkel tem por costume ouvir pessoas de áreas diferentes sobre os mais variados assuntos e, como já disse anteriormente, considera Bono Vox um líder cultural. E a convergência entre os dois é uma realidade, pelo menos no que toca ao projeto europeu.

"A Europa é um pensamento que precisa de se tornar um sentimento."


"A Europa é um pensamento que precisa de se tornar um sentimento", diz Bono no texto publicado nesta terça-feira.

"A palavra patriotismo foi-nos roubada por nacionalistas e extremistas", afirma Bono, considerando que "os verdadeiros patriotas procuram a união acima da homogeneidade", e que este é que é "o verdadeiro projeto europeu".

Partindo deste pressuposto, o músico questiona: "Poderemos pôr os nossos corações nesta luta?"

"Os valores e as aspirações da Europa fazem desta muito mais do que apenas uma geografia, vão ao âmago de quem somos como seres humanos e quem queremos ser", escreve o músico, considerando que esta ideia de Europa "merece canções escritas sobre ela e grandes bandeiras azuis e brilhantes acenadas".

Esta afirmação decorre de uma ideia "provocadora" que a banda teve para a sua próxima digressão, que começa nesta semana em Berlim e que vai passar por Lisboa a 16 e 17 de setembro.

"Disseram-me que uma banda de rock está no seu melhor quando é um pouco transgressora: quando estica os limites do chamado bom gosto, quando choca, quando surpreende", escreveu, adiantando que a banda pretende, durante o concerto, agitar uma bandeira da União Europeia (UE), "grande, brilhante e azul".

"Imagino que mesmo para um público de rock, agitar uma bandeira da UE nos dias de hoje é um aborrecimento, uma chatice, uma referência kitsch ao Festival da Eurovisão, mas para alguns de nós tornou-se um ato radical."


"Imagino que mesmo para um público de rock, agitar uma bandeira da UE nos dias de hoje é um aborrecimento, uma chatice, uma referência kitsch ao Festival da Eurovisão, mas para alguns de nós tornou-se um ato radical", defendeu Bono.

O músico lembra que a mesma Europa que durante muito tempo provocava um bocejo, "hoje desencadeia uma disputa de gritos na mesa da cozinha", que é um palco de forças poderosas, emocionais e conflituantes que vão moldar o futuro. "O nosso futuro", sublinha o cantor, considerando: "Não há como negar que estamos todos juntos neste barco, em mares agitados pelo clima extremo e pela política extremista."

Bono aborda ainda a questão dos refugiados, afirmando que se sente orgulhoso, quando se lembra de que "os alemães receberam refugiados sírios assustados" (e mais se sentiria se mais países se tivessem juntado); "orgulhoso da luta da Europa para acabar com a pobreza extrema e as alterações climáticas; e, sim, extraordinariamente orgulhoso do acordo de Belfast e de como outros países se uniram à Irlanda na questão das fronteiras, reavivada pelo brexit".

"Sinto-me privilegiado por ter testemunhado o maior período de paz e prosperidade de todos os tempos no continente europeu", acrescentou.

"Sinto-me privilegiado por ter testemunhado o maior período de paz e prosperidade de todos os tempos no continente europeu."

No entanto, o cantor alerta que todas essas conquistas "estão a ser ameaçadas, porque o respeito pela diversidade - premissa de todo o sistema europeu - está a ser desafiado" e salienta que "a diferença é da essência da humanidade, e deve ser respeitada, celebrada e até mesmo cultivada".

"Adoro as nossas diferenças: os nossos dialetos, as nossas tradições, as nossas peculiaridades, 'a essência da humanidade', como definiu Hume. E acredito que eles ainda deixam espaço para o que Churchill apelidou de 'um patriotismo ampliado': alianças plurais, identidades em camadas, irlandeses e europeus, alemães e europeus, e não uma coisa ou outra."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.