Bolsonaro vence em Lisboa e no Porto

Candidato do PSL obteve 64,4% em Lisboa e 66,5% no Porto

Jair Bolsonaro foi o mais votado pelos imigrantes brasileiros em Lisboa. O candidato do PSL teve 4475 dos 6948 votos válidos, ou seja, 64,4%. O seu rival do PT, Fernando Haddad, teve 2473 votos, ou seja, 36,6%.

Os brasileiros em Lisboa votaram na Faculdade de Direito na Cidade Universitário.

A abstenção na capital portuguesa ronda, porém, os 68%, uma vez que estão registados em Lisboa 22 mil brasileiros e, em todo o país, 40 mil.

Bolsonaro já tinha sido o mais votado em Lisboa na primeira volta com 56%, ou seja, subiu quase 10% entre o dia 7 e este domingo.

No Porto, Bolsonaro voltou a vencer, com 66,5% dos votos dos 4700 eleitos que foram às urnas na Invicta. Ou seja, 3145 votaram nele. A abstenção foi de 65%, confirmou à agência Lusa o cônsul-adjunto no Porto, Alexandre Alvim.

O candidato do PSL venceu também, segundo os primeiros resultados, em cidades como Frankfurt, Munique Zurique, Genebra, Londres, Bruxelas, Madrid, Maputo, Luanda e Díli.

O rival do PT foi o preferido dos eleitores brasileiros em Paris, Amesterdão, Hamburgo, Colónia e Berlim.

A nível nacional na Alemanha, avançou a Deutsche Welle Brasil, Haddad venceu na Alemanha com 56% dos votos válidos, tendo Bolsonaro conseguido 44%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.