Bolsonaro solidário com humorista condenado por piada contra deputada do PT

Danilo Gentilli foi sentenciado a seis meses de prisão por rasgar e esfregar nos órgãos sexuais uma carta da parlamentar Maria do Rosário, a mesma a quem o presidente da República se dirigiu dizendo que não estupraria porque não merecia

O presidente da República Jair Bolsonaro solidarizou-se com o humorista Danilo Gentili, condenado a seis meses e 28 dias de prisão pelo crime de injúria contra a deputada federal Maria do Rosário, do PT.

Segundo a sentença, em que cabe recurso, assinada por uma juiza de São Paulo, Gentilli, que apresenta um talk show no canal SBT, ofendeu "a dignidade ou o decoro" da deputada, "atribuindo-lhe a alcunha de 'puta', bem como expôs, em tom de deboche, a imagem dos servidores públicos federais e seu respectivo órgão, ou seja, a Câmara dos Deputados".

O caso aconteceu a 22 de março de 2016, quando o comediante publicou na rede social Twitterum vídeo rasgando e esfregando nas partes íntimas uma correspondência oficial enviada por Maria do Rosário.

Para Bolsonaro, o caso viola "o direito de livre expressão" "Solidarizo-me com o apresentador e comediante Danilo Gentilli ao exercer seu direito de livre expressão e sua profissão, da qual, por vezes, eu mesmo sou alvo, mas compreendo que são piadas e faz parte do jogo, algo que infelizmente vale para uns e não para outros".

A magistrada não concordou com a alegação da defesa de que não houve intenção de ofender a deputada, por se tratar de uma peça humorística. "Se a intenção do acusado não fosse a de ofender, achincalhar, humilhar, ao ser notificado pela Câmara dos Deputados, a qual lhe pediu apenas que retirasse a ofensa de sua conta do Twitter, o acusado poderia simplesmente ter discordado ou ter buscado a orientação jurídica de advogados para acionar pelo que entendesse ser seu direito".

Gentilli já reagiu: "Ao público, aos amigos e aos jornalistas, comediantes e artistas que após a minha condenação à prisão manifestaram apoio à liberdade de expressão: muito obrigado! Nunca esquecerei disso. Aos comediantes e artistas que pedem liberdade para político criminoso e chilicam contra uma possível repressão num possível futuro, mas que estão bem quietinhos agora: muito obrigado também por provarem que o meu ponto de vista é verdadeiro".

Maria do Rosário é a mesma deputada que se envolveu numa discussão com o então colega Bolsonaro em 2003 em que o hoje presidente disse "eu jamais te estupraria porque você não merece" por, supostamente, a parlamentar o ter chamado de "estuprador".

O caso mereceu repercussão na imprensa e nas redes sociais com argumentos a favor da liberdade de expressão de Gentilli, por um lado, e críticas a Bolsonaro por se ter apressado a solidarizar-se com o humorista e não ter ainda se solidarizado com a família de Evaldo Rosa, morto por engano numa ação do exército após rajada de 80 tiros no Rio de Janeiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.