Bolsonaro: "O português nem pisava África, eram os negros que entregavam os escravos"

Candidato às presidenciais de outubro no Brasil, suavizou o papel de Portugal no tráfico de escravos em entrevista ao programa Roda Viva na TV Cultura.

Jair Bolsonaro responsabilizou os negros pelo tráfico de escravos de África para o Brasil entre os séculos XVI e XIX e amenizou o papel do colonizador, no caso, Portugal. "O português nem pisava África, eram os negros que entregavam os escravos", afirmou o candidato que, excluído o detido Lula da Silva, lidera as sondagens para a eleição presidencial de 7 de outubro.

Em entrevista perante um painel no programa Roda Vida , um clássico da TV Cultura, Bolsonaro deu essa resposta para se declarar contra a política de quotas para negros nas universidades. "Essa política só visa dividir o Brasil entre brancos e negros."

Veja aqui vídeo do programa:

O candidato do PSL, tido como ideologicamente próximo da extrema-direita, negou ter qualquer dívida para com os negros diante da escravatura. "Dívida histórica? Eu nunca escravizei ninguém na minha vida", afirmou o capitão do Exército na reserva.

"Somos misturados no Brasil, o negro não é melhor do que eu e eu não sou melhor do que o negro, na Academia Militar vários negros formaram-se comigo, alguns abaixo de mim e outros acima de mim, para quê quotas?", adiantou no mesmo programa.

Como a mudança na política de quotas na educação e em concursos públicos depende do Parlamento, Bolsonaro não disse que acabaria com a medida. "Não, mas vou propor, quem sabe, a redução da percentagem."

Segundo a agência de verificação de dados Lupa, que trabalha com órgãos de comunicação social como a revista piauí e o jornal Folha de S. Paulo, as declarações de Bolsonaro não são verdadeiras. "

Os portugueses, assim como outras nações europeias, participavam ativamente do comércio de escravos na África e estabeleceram feitorias no continente a partir do século XV. Mais tarde, os portugueses colonizaram áreas na África - tanto que, atualmente, cinco países africanos têm o português como língua oficial, Angola, Moçambique, Guiné Bissau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Estima-se que 4,8 milhões de africanos foram trazidos para o Brasil por europeus entre os séculos XVI e XIX, descontando os que morreram durante o transporte. Junto com o Caribe, o Brasil foi o principal destino do tráfico negreiro no período.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.