Bolsonaro: "O português nem pisava África, eram os negros que entregavam os escravos"

Candidato às presidenciais de outubro no Brasil, suavizou o papel de Portugal no tráfico de escravos em entrevista ao programa Roda Viva na TV Cultura.

Jair Bolsonaro responsabilizou os negros pelo tráfico de escravos de África para o Brasil entre os séculos XVI e XIX e amenizou o papel do colonizador, no caso, Portugal. "O português nem pisava África, eram os negros que entregavam os escravos", afirmou o candidato que, excluído o detido Lula da Silva, lidera as sondagens para a eleição presidencial de 7 de outubro.

Em entrevista perante um painel no programa Roda Vida , um clássico da TV Cultura, Bolsonaro deu essa resposta para se declarar contra a política de quotas para negros nas universidades. "Essa política só visa dividir o Brasil entre brancos e negros."

Veja aqui vídeo do programa:

O candidato do PSL, tido como ideologicamente próximo da extrema-direita, negou ter qualquer dívida para com os negros diante da escravatura. "Dívida histórica? Eu nunca escravizei ninguém na minha vida", afirmou o capitão do Exército na reserva.

"Somos misturados no Brasil, o negro não é melhor do que eu e eu não sou melhor do que o negro, na Academia Militar vários negros formaram-se comigo, alguns abaixo de mim e outros acima de mim, para quê quotas?", adiantou no mesmo programa.

Como a mudança na política de quotas na educação e em concursos públicos depende do Parlamento, Bolsonaro não disse que acabaria com a medida. "Não, mas vou propor, quem sabe, a redução da percentagem."

Segundo a agência de verificação de dados Lupa, que trabalha com órgãos de comunicação social como a revista piauí e o jornal Folha de S. Paulo, as declarações de Bolsonaro não são verdadeiras. "

Os portugueses, assim como outras nações europeias, participavam ativamente do comércio de escravos na África e estabeleceram feitorias no continente a partir do século XV. Mais tarde, os portugueses colonizaram áreas na África - tanto que, atualmente, cinco países africanos têm o português como língua oficial, Angola, Moçambique, Guiné Bissau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Estima-se que 4,8 milhões de africanos foram trazidos para o Brasil por europeus entre os séculos XVI e XIX, descontando os que morreram durante o transporte. Junto com o Caribe, o Brasil foi o principal destino do tráfico negreiro no período.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.