'Black is Beautiful' foi usado em anúncio de papel higiénico. Muita gente não gostou

Marca brasileira de papel higiénico lançou edição em preto e promoveu o produto com o slogan usado pela comunidade afro-americana na luta por direitos civis. Já foi retirado, com um pedido de desculpas

A campanha de publicidade que acompanhou o lançamento do papel higiénico de cor preta da marca Santher no Brasil usava o slogan 'Black is Beautiful', lembrando a expressão que nasceu com o movimento negro de luta pelos direitos civis nos anos 60.

As críticas fizeram-se ouvir de imediato, através das redes sociais, vindas de várias pessoas. Uma delas foi o escritor Anderson França. "Se você digitar 'black is beautiful' em qualquer lugar do mundo encontrará referências a Angela Davis, Malcolm X, O Partido Panteras Negras para Autodefesa, Fela Kuti, James Baldwin, Nina Simone. Mas no Brasil se você digitar #blackisbeautiful você vai encontrar papel de bunda. [...] Aquilo que você usa pra se limpar de excremento, e em seguida elimina, tomado de nojo e aversão. Aquilo que tem apenas uma função: limpar fezes e secar urina de suas carnes, e ir para o lixo. Se isso não é uma demonstração explícita de racismo e humilhação étnica, criminosa, eu perdi alguma aula."

Críticas institucionais também foram dirigidas à Santher, detentora da marca de papel higiénico Personal. O Coletivo Sistema Negro, citado pela revista Veja, emitiu um comunicado, via Facebook. "Quando nós negros criamos uma frase [Black is Beautiful] é para empoderar e viabilizar nossa existência, dado que nossas vidas valem menos no quotidiano de uma sociedade racista... Não é e nunca será para vender papel higiénico!"

O facto da protagonista do anúncio ser uma mulher ruiva, a atriz Marina Ruy Barbosa, também mereceu críticas.

Dafne Sampaio, jornalista e bloguer, defende que o problema não é o papel higiénico preto, mas o uso do slogan 'Black is beautiful'.

Contactada pela Veja, a agência de publicidade Neogama, que fez o anúncio, defendeu que o objetivo da mensagem foi "destacar um produto que segue tendência de design já existente no exterior". E acrescentou: "Refutamos toda e qualquer insinuação ou acusação de preconceito neste caso e lamentamos outro entendimento que não seja o explicitado na peça". Mesmo assim, a frase foi retirada do anúncio, com um pedido de desculpas por qualquer associação ao movimento negro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.