Biógrafo de Bolsonaro: "Ele lembra Trump e Berlusconi"

Entrevista a Clóvis Saint-Clair, o autor do livro Bolsonaro, o Homem que Peitou o Exército e Desafia a Democracia, um extenso perfil do novo presidente do Brasil.

Autor do livro Bolsonaro, o Homem que Peitou o Exército e Desafia a Democracia, da editora Máquina de Livros, fala ao DN da personalidade do novo presidente do Brasil.

Para Clóvis Saint-Clair, jornalista carioca que passou pelas redações das revistas Veja e Época e atualmente é editor do Jornal do Brasil, Jair Bolsonaro não é bem visto pelas cúpulas militares, chegou a despertar interesse de partidos comunistas e só recentemente trocou o nacionalismo estatizante pelo liberalismo económico.

O seu modus operandi, diz Saint-Clair, é manter o debate sempre no domínio da emoção e não da razão porque lhe faltam argumentos bem fundamentados para discutir as questões mais importantes.

Aconselhou a levar a sério a candidatura de Jair Bolsonaro quando pouca gente ainda o fazia. Porquê?
Porque o debate político já estava polarizado desde as últimas eleições presidenciais, pouco racional e a extrema-direita já havia crescido no mundo todo, indicando que o fenómeno podia ser global.

Porque afirma que os militares gostam de Jair Bolsonaro mas as cúpulas não tanto?
Tudo começou quando ele, já capitão, publicou aquele artigo na revista Veja, em 1986, contestando a versão do exército de que um grupo de cadetes teria deixado a escola por desvios de conduta e afirmando que o real motivo eram os baixos salários. Depois ele foi identificado como um militar que fazia política dentro dos quartéis, o que não era permitido, além de procurar exercer liderança sobre os subordinados de maneira autoritária. A cúpula militar preza as hierarquias e, ainda há pouco, procurou manter uma conduta mais discreta e republicana.

Chegou a elogiar Hugo Chávez e a ser visto com bons olhos por PCdoB (Partido Comunista do Brasil) e PCB (Partido Comunista Brasileiro). Por isso diz que ele é uma figura contraditória?
Ele é contraditório mas nem tanto por esses motivos. Hoje ele já não elogia Chávez e quanto aos partidos de esquerda interessava-lhes conquistar votos nos quartéis e chegaram a ver em Bolsonaro um possível cabo eleitoral mas ele sempre se opôs ao ideário das esquerdas.

Mas a troca do estatismo que sempre defendeu por esta onda liberalizante é a última contradição?
Essa é uma contradição mais patente, sim. Ele diz-se nacionalista mas apoia o estado mínimo. Defende as privatizações, ressalva que preservaria algumas empresas, como a Petrobras e a Eletrobras, mas vai colocar um superministro da economia, com superpoderes, que defende que tudo seja privatizado.

"Tal como a Operação Mãos Limpas, em Itália, a Lava Jato também desmontou o sistema político do país"

Ele está mais para Chávez, pelo lado militar e por ser sul-americano, para Donald Trump, pela forma como foi eleito, ou para Silvio Berlusconi, por ter chegado ao poder após uma operação que dizimou os políticos tradicionais?
Ele não tem nada a ver com Hugo Chávez, que distribuiu renda na Venezuela. Pela forma como chegou ao poder lembra Trump, sim, até porque teve a consultoria de Steve Bannon na campanha, e lembra também Berlusconi, uma vez que tal como a Operação Mãos Limpas, em Itália, a Lava Jato também desmontou o sistema político do país.

Bolsonaro é "mais berro do que argumento", segundo escreveu. Ele ganhou na emoção? Ainda é o fator mais a ter em conta para se ganhar eleições no Brasil?
Penso que em qualquer país do mundo o eleitor acabe decidindo o voto mais pelo afeto do que pela razão. Ele ganhou a eleição, ao que parece, num longo processo: num primeiro momento, por meio da demonização do PT, disseminada pelos media de um modo geral, num segundo por um trabalho nas redes sociais em que aos poucos assumiu o lugar de oposição preferencial ao PT e, na base de milhares de memes, de vídeos e de fakenews distribuídos diariamente nas redes por empresários que o apoiam, fez a cabeça de milhões de eleitores que radicalizaram as suas posições em vez de refletir sobre o que estava acontecendo e o que estavam fazendo. Manter o discurso da exacerbação e o debate no paroxismo da emoção é uma estratégia de Bolsonaro para não discutir importantes questões para as quais ele não tem argumentos bem fundamentados.

"Bolsonaro aproveitou-se de um momento de frustração geral do brasileiro com o país e do descrédito com os políticos e a própria política"

Bolsonaro é produto daquele louco junho de 2013 [quando milhões de brasileiros foram às ruas protestar]?
Também. Ele aproveitou-se de um momento de frustração geral do brasileiro com o país e do descrédito com os políticos e a própria política.

O que foi mais difícil no livro?
O prazo. Apesar de ser um perfil amplo e alentado, não tive tempo de aprofundar a pesquisa e fazer entrevistas. Por isso, trato o livro como perfil, não como biografia. Não me considero, nem poderia, biógrafo de Bolsonaro.

Teve algum feedback dele ou de alguém da cúpula?
Até ao momento, não.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Um país em greve

Ao fim de três anos de governo é cada vez mais aplicável a máxima de que "podes enganar todos durante algum tempo e alguns sempre, mas não podes enganar todos sempre". Apesar da propaganda inicial, é claro aos olhos de todos que afinal o governo falhou aos seus compromissos e noutros casos oscilou entre a incompetência e a displicência. Quem prometeu tudo a todos vê-se agora que afinal nunca esteve em condições de cumprir.

Premium

João Taborda da Gama

Amor elétrico

Há uma enorme fungibilidade na cama entre o homem e o saco de água quente. Tenho pensado muito nisto neste inverno que tardava, mas que mal chegou me desaconchegou. A existência de um objeto que satisfaz uma necessidade torna o antigo provedor dessa função desnecessário. E sem função, mais solto, o ludismo apodera-se do espaço deixado, qual Quim Júlio que percebe que o que atraía nele era quilojoule, e não ele em si, a sua perna, o seu cheiro, e coloca parte da sua masculinidade em casa em causa. Parte da sua masculinidade numa versão reconstruída, moderna, antropocêntrica, romântica, porque se ele pensasse na sua masculinidade enquanto tal percebia depressa que lá no âmago sempre esteve o calor. A infidelidade térmica é das mais frias que se pode cometer, precisamente porque no início o que juntou foi o quentinho. Contra este problema há estratégias várias, ignorar, atacar, argumentar. Na argumentação a melhor é a da segurança, que os sacos de água quente, dildos térmico-emocionais, são responsáveis por milhares de acidentes terríveis no mundo inteiro, pernas queimadas, famílias dilaceradas. Basta uma pesquisa rápida e não há tabloide sem sexagenária escaldada, a perna diabética, adormecida, apenas a dar o alerta quando a água do saco já tinha cozido a carne toda. Um dia acontece-me a mim, se o tsunami chegar ao meu lugar da cama. Não há lugares cativos. Aquilo que pode ser substituído deve ser substituído, há um problema de transição, um dever de apoiar e ajudar na transição, mas uma sociedade não pode manter por manter funções em que alguém pode ser substituído por uma máquina. Penso nisso sempre que passo numa portagem e entrego um cartão a uma pessoa que mo devolve com um talão. Receber dinheiro, fazer trocos, dar talões é uma função que ninguém devia ter de desempenhar, e o objetivo devia ser que ninguém tivesse de o fazer num curto espaço de tempo, ajudando na transição aqueles que isso fizeram e fazem. Mas no inverno que chega tarde mas abrupto ninguém se preocupa com transições. Uma das coisas mais fascinantes é a importância e tempo que as nossas cabeças dedicam às coisas. Por exemplo, passei mais de meia hora agora mesmo a procurar informação sobre o papel que a temperatura corporal joga na atração sexual, encontrei informação fascinante. Mas o mais fascinante de tudo foi um livro sobre a cama conjugal, conjugal leia-se partilhada - Two in a Bed: The Social System of Couple Bed, do Paul C. Rosenblatt, psicólogo americano, de 2006. Estudar, pensar, escrever sobre isto, há quem tenha vidas interessantes, mais interessantes do que a minha. Mas enquanto li sobre isso, que pouco me ajudará a mim e ao mundo, não li sobre coisas mais importantes do que isso tudo. E é essa a dúvida, por que não conseguimos estar sempre e apenas focados naquilo que interessa? Porque não somos máquinas, dirão uns. Enquanto escrevo há uma máquina a trabalhar por mim. O novo aspirador automático Roomba, no quarto lá de dentro, a limpar (não escrevas o esterco) as marcas normais de uma família com numerosas crianças, inteligente com sensores a calcular o percurso, a voltar atrás onde há mais marcas, e tudo acompanhado pela app no telemóvel, a sensação (ilusão) de controlo. Chama-se Rodolfo o aspirador, foi a Laura que escolheu o nome, nome de homem que limpa a casa, um puxa trenós do pó do chão. Quando a Laura nasceu, na primeira vez que saiu de casa fomos todos andar de elétrico com ela. Uma espécie de batismo de cidade, batismo de rua, de gente, de gentes da gente. Enquanto aquilo sacolejava pensámos que talvez quem dizia que éramos irresponsáveis tivesse razão, podia a bebé (as pessoas que alertam dizem sempre a bebé no feminino) morrer esmagada entre um o varão e um turista calmeirão, americano do Colorado, very typical the baby. Foi há 11 anos, no 28. Ontem foram 28 os feridos do 25, elétrico que descarrilou na Lapa, talvez farto de uma vida toda nos eixos.

Premium

Maria de Belém Roseira

Maria de Belém: uma nova Lei de Bases da Saúde para quê?

O projecto de Proposta de Lei de Bases da Saúde, elaborado pela Comissão criada por despacho do ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, de 31 de Janeiro deste ano, decorreu de uma leitura constitucional global e integrada das previsões que envolvem e enquadram o direito à protecção da saúde. O projecto tem ainda em conta o modo como as jurisprudências internacional e constitucional densificam o direito à protecção da saúde enquanto direito humano na ordem internacional e enquanto direito fundamental na ordem interna.