Bebés foram trocados na maternidade. Pais não os querem trocar

Os dois rapazes têm agora quase três anos e as famílias vão deixá-los crescer e decidir com querem viver

A história parece o guião de um filme de Bollywood, mas é verdadeira. Em 2015, duas mulheres indianas, mas de religiões diferentes - hindu e muçulmana - deram à luz no mesmo dia e com uma hora de diferença no Hospital Civil Mangaldai, em Assam, no noroeste da Índia. Uma semana depois, a mãe de uma das crianças disse ao marido que aquele bebé não era o deles. Testes de ADN confirmaram a suspeita da mulher, mas quase três anos depois as famílias não querem trocar as crianças.

Shahabuddin Ahmed contou à BBC que levou a sua esposa, Salma Parbin, para o Hospital Civil Mangaldai às 6h00 do dia 11 de março de 2015 e que esta deu à luz um menino uma hora depois. O parto foi normal, e mãe e bebé tiveram alta no dia seguinte.

Uma semana depois, Salma Parbin disse ao marido sentir que aquele não era o filho de ambos e que se lembrava de ter visto uma mulher da tribo Bodo - de religião hindu - na sala de partos. Parbin suspeitava que as crianças tinham sido trocadas.

Ahmed falou com o responsável do hospital sobre a suspeita de esposa, ao que este terá respondido que a mulher precisava de ajuda psiquiátrica, mas o homem não desistiu de investigar.

Um mês depois de ter pedido os registos de todos os nascimentos do dia 11 de março de 2015, percebeu que sete mulheres tinham dado à luz e que uma delas pertencia à tribo Bodo e também constava da lista. Esta mulher, tal como a esposa de Ahmed, tinha parido um bebé do sexo masculino, com cerca de 3 kg e os partos tinham ocorrido com cinco minutos de intervalo.

O homem tentou visitar a família, que vivia a cerca de 30 quilómetros, mas optou por escrever uma carta a contar as suspeitas da esposa.

Anil e Shewali Boro, o casal que afinal estava a criar o filho de Ahmed, nunca suspeitaram que o filho tivesse sido trocado, mas assim que as famílias se encontraram, as suspeitas desapareceram. "A primeira vez que o vi, percebi que ele se parecia com o pai. Fiquei muito triste e chorei. Nós somos da tribo Bodo, não somos como os outros povos muçulmanos. Somos diferentes, temos características da Mongólia ", disse Shewali Boro.

Salma Parbin, a mulher de Ahmed, quis fazer a troca das crianças assim que olhou para o seu verdadeiro filho, mas a outra mãe não o quis fazer.

Foi só com a insistência de Ahmed que amostras de sangue da sua esposa e do bebé foram testadas e, em agosto de 2015, quando o relatório chegou, perceberam que não havia correspondência genética entre a mãe e a criança.

Depois de uma investigação por parte das autoridades, confirmou-se que os bebés tinham sido trocados na maternidade, mas a mãe da tribo Bodo não quer trocar o filho, que se habituou à família que o criou. A mulher de Ahmed também não se sente preparada para abdicar da criança que tem educado. Os dois meninos estão a ser criados em religiões diferentes e teriam muitas dificuldades em adaptar-se não só a uma nova família, mas também a costumes e alimentação diferentes.

"Uma criança é uma criança. Ele é um dom de Deus, não é hindu ou muçulmano", justifica Ahmed, salientado que a diferença de religião não é o mais importante na história.

Por enquanto, a solução encontrada pelas duas famílias foi a de manterem a situação como está e deixarem as crianças decidir com quem querem viver quando crescerem. Entretanto, contam encontrar-se regularmente e de alguma maneira fazerem parte da vida dos filhos biológicos.

Ler mais

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."