Avião da Virgin atinge quase 1300 km/h num voo para Londres

O avião de passageiros chegou 48 minutos mais cedo do que o esperado ao destino. Terá atingido uma velocidade recorde.

Um avião da companhia aérea Virgin Atlantic atingiu uma velocidade de 1289 quilómetros por hora, relativamente ao solo, num voo entre Los Angeles e o aeroporto londrino de Heathrow, na segunda-feira à noite. Segundo o Independent, a aeronave foi impulsionada por uma corrente de jato, que, de acordo com o Serviço Nacional de Meteorologia em Nova Iorque, atingiu os 359 quilómetros por hora - a mais forte do último meio século.

Segundo a mesma fonte, os ventos fortes aumentaram a velocidade do voo VS8 da Virgin Atlantic, que atingiu quase 1300 quilómetros por hora quando sobrevoava a Pensilvânia, às 21.20. Esta pode, de acordo com a CBS News, constituir uma velocidade recorde para um voo Boeing 787 Dreamline, já que a velocidade típica destes aviões é de aproximadamente 903 quilómetros por hora.

O voo demorou nove horas e 34 minutos para chegar ao aeroporto de Heathrow, em Londres, ou seja, chegou 48 minutos mais cedo que o esperado.

"Uau, isso é rápido", afirmou um porta-voz da Boeing à CBS News. No entanto, explica, como o fabricante não regista as velocidades, mão há forma de confirmar se foi, efetivamente, um recorde.

Em janeiro, um Dreamliner norueguês que voou de Nova Iorque para o aeroporto de Londres Gatwick registou o voo transatlântico mais rápido num avião comercial, ao beneficiar de ventos fortes sobre o Oceano Atlântico, que permitiram que atingisse 1 249 quilómetros por hora.

A velocidade do som é de 1223 quilómetros por hora, mas, segundo a CBS, o avião não quebrou a barreira de som, já que uma parte da velocidade atingida é atribuída ao movimento rápido do ar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?