Atriz porno que processou Trump foi presa. Advogado fala em cilada

Stormy Daniels foi detida por ter-se deixado tocar por um cliente de um bar de striptease enquanto fazia uma atuação

A atriz de filmes porno Stormy Daniels foi detida no estado norte-americano do Ohio, alegadamente por ter deixado os clientes tocar-lhe enquanto atuava no palco de um clube de striptease. Foi o advogado, Michael Avenatti, que revelou a detenção, que atribui a razões políticas. "Isto raia o desespero. Vamos lutar contra todas as acusações falsas", escreveu no Twitter, na madrugada desta quinta-feira.

Stormy Daniels, cujo verdadeiro nome é Stephanie Clifford , diz ter tido um "encontro sexual" com o presidente norte-americano, Donald Trump, em 2006, pouco depois de este ter casado com Melania.

A atriz pornográfica garante ter sido paga por um advogado de Trump para manter o silêncio antes das eleições presidenciais, em 2016, um pagamento que foi confirmado pelo advogado de Trump, Michael Cohen, e que o próprio líder americano já admitiu, mas argumentando que pretendia acabar "com acusações falsas e extorsionistas".

A atriz moveu, entretanto, dois processos contra Trump, um por difamação e o outro para poder revelar o conteúdo do acordo de confidencialidade que assinou em 2016.

Segundo declarações do advogado feitas à agência Associated Press, Stormy Daniels estava a atuar num clube de striptease na cidade de Columbus, no Ohio, quando foi tocada de forma "não sexual", a razão que terá levado à sua detenção. Uma lei daquele estado, o Community Defense Act (Lei de Defesa da Comunidade), proíbe que uma dançarina nua ou seminua seja tocada por alguém que não seja um familiar.

Para o advogado da atriz, que continua sob custódia policial, tratou-se de uma "armadilha": "É absurdo que a Justiça esteja a usar recursos para fazer uma operação num clube de striptease, relacionada com clientes que tocam nas dançarinas de forma não sexual".

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.