Atriz porno que processou Trump foi presa. Advogado fala em cilada

Stormy Daniels foi detida por ter-se deixado tocar por um cliente de um bar de striptease enquanto fazia uma atuação

A atriz de filmes porno Stormy Daniels foi detida no estado norte-americano do Ohio, alegadamente por ter deixado os clientes tocar-lhe enquanto atuava no palco de um clube de striptease. Foi o advogado, Michael Avenatti, que revelou a detenção, que atribui a razões políticas. "Isto raia o desespero. Vamos lutar contra todas as acusações falsas", escreveu no Twitter, na madrugada desta quinta-feira.

Stormy Daniels, cujo verdadeiro nome é Stephanie Clifford , diz ter tido um "encontro sexual" com o presidente norte-americano, Donald Trump, em 2006, pouco depois de este ter casado com Melania.

A atriz pornográfica garante ter sido paga por um advogado de Trump para manter o silêncio antes das eleições presidenciais, em 2016, um pagamento que foi confirmado pelo advogado de Trump, Michael Cohen, e que o próprio líder americano já admitiu, mas argumentando que pretendia acabar "com acusações falsas e extorsionistas".

A atriz moveu, entretanto, dois processos contra Trump, um por difamação e o outro para poder revelar o conteúdo do acordo de confidencialidade que assinou em 2016.

Segundo declarações do advogado feitas à agência Associated Press, Stormy Daniels estava a atuar num clube de striptease na cidade de Columbus, no Ohio, quando foi tocada de forma "não sexual", a razão que terá levado à sua detenção. Uma lei daquele estado, o Community Defense Act (Lei de Defesa da Comunidade), proíbe que uma dançarina nua ou seminua seja tocada por alguém que não seja um familiar.

Para o advogado da atriz, que continua sob custódia policial, tratou-se de uma "armadilha": "É absurdo que a Justiça esteja a usar recursos para fazer uma operação num clube de striptease, relacionada com clientes que tocam nas dançarinas de forma não sexual".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.