Atriz porno que processou Trump foi presa. Advogado fala em cilada

Stormy Daniels foi detida por ter-se deixado tocar por um cliente de um bar de striptease enquanto fazia uma atuação

A atriz de filmes porno Stormy Daniels foi detida no estado norte-americano do Ohio, alegadamente por ter deixado os clientes tocar-lhe enquanto atuava no palco de um clube de striptease. Foi o advogado, Michael Avenatti, que revelou a detenção, que atribui a razões políticas. "Isto raia o desespero. Vamos lutar contra todas as acusações falsas", escreveu no Twitter, na madrugada desta quinta-feira.

Stormy Daniels, cujo verdadeiro nome é Stephanie Clifford , diz ter tido um "encontro sexual" com o presidente norte-americano, Donald Trump, em 2006, pouco depois de este ter casado com Melania.

A atriz pornográfica garante ter sido paga por um advogado de Trump para manter o silêncio antes das eleições presidenciais, em 2016, um pagamento que foi confirmado pelo advogado de Trump, Michael Cohen, e que o próprio líder americano já admitiu, mas argumentando que pretendia acabar "com acusações falsas e extorsionistas".

A atriz moveu, entretanto, dois processos contra Trump, um por difamação e o outro para poder revelar o conteúdo do acordo de confidencialidade que assinou em 2016.

Segundo declarações do advogado feitas à agência Associated Press, Stormy Daniels estava a atuar num clube de striptease na cidade de Columbus, no Ohio, quando foi tocada de forma "não sexual", a razão que terá levado à sua detenção. Uma lei daquele estado, o Community Defense Act (Lei de Defesa da Comunidade), proíbe que uma dançarina nua ou seminua seja tocada por alguém que não seja um familiar.

Para o advogado da atriz, que continua sob custódia policial, tratou-se de uma "armadilha": "É absurdo que a Justiça esteja a usar recursos para fazer uma operação num clube de striptease, relacionada com clientes que tocam nas dançarinas de forma não sexual".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?