Há um astronauta no governo de Pedro Sánchez

Tem 55 anos e foi o primeiro espanhol a viajar para o espaço. Agora é ministro da Ciência, Inovação e Universidades de Pedro Sánchez

O astronauta da Agência Espacial Europeia e Príncipe das Astúrias, Pedro Duque, será o próximo ministro da Ciência, Inovação e Universidades do novo governo espanhol de Pedro Sánchez, segundo avança o La Vanguardia .

Natural de Madrid, a nova cara do executivo espanhol tem 55 anos, e é engenheiro aeronáutico. Foi o primeiro espanhol a viajar para o espaço.

Pedro Duque nasceu a 14 de março de 1963 em Madrid, Espanha. É casado, tem três filhos e, segundo biografia publicada no site da Agência Espacial Europeia- ESA, gosta também de fazer mergulho, praticar natação e ciclismo.

Agraciado pelo rei Juan Carlos

Formado em Engenharia Aeronáutica pela Escola Técnica Superior de Engenheiros Aeronáuticos da Universidade Politécnica de Madrid, em 1986, Pedro Duque já foi agraciado com alguns prémios.

A Ordem de amizade, concedida pelo presidente russo Boris Yeltsin, em março de 1995, a Grande Cruz de Mérito Aeronáutico, concedida pelo rei da Espanha, em fevereiro de 1999, e o Prémio Príncipe de Astúrias para Cooperação Internacional foram três das distinções que lhe foram atribuídas pelo desempenho das suas funções.

Do seu currículo importa salientar que começou a trabalhar na ESA em 1986, tendo sido selecionado para se juntar ao Corpo de Astronautas da ESA, em 1992. Viveu então na Alemanha, Rússia e Estados Unidos da América.

Segundo a biografia publicada no site Spacefacts.de, o primeiro voo espacial de Duque aconteceu em 1998 na missão STS-95, a bordo do Vaivém Espacial, durante a qual supervisionou os módulos experimentais da ESA. Em outubro de 2003, voltou à órbita a bordo da Soyuz TMA-3 e visitou a Estação Espacial Internacional durante nove dias, para uma troca de tripulação.

Em outubro de 2006, Pedro deixou a ESA para assumir um cargo de direção da Deimos Imaging, uma empresa privada que opera um sistema comercial de observação da Terra, onde ficou até 2011.

Atualmente dá aulas na Escuela Técnica Superior de Ingenieros Aeronaúticos em Madrid.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.