Uma fotografia, seis versões: o momento de tensão vivido no G7

A imagem partilhada no Instagram de Merkel tornou-se viral, por revelar a tensão na reunião. Mas há outras versões

O momento em que os líderes do G7 discutem os pormenores da declaração final da cimeira no Quebeque foi captada pelos assessores e fotógrafos oficiais de vários deles.

Cada uma delas permite uma leitura diferente daquele momento.

A versão alemã

Foi a primeira conhecida, sendo divulgado no Instagram de Angela Merkel, e tornando-se viral (tem mais de 50 mil 'gostos').

O presidente norte-americano, Donald Trump, surge sentado, de braços cruzados, enquanto a chanceler alemã se debruça sobre a mesa. Meio escondidos, à esquerda, estão o presidente francês, Emmanuel Macron, e a primeira-ministra britânica, Theresa May.

A discussão é observada de perto pelo primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e pelo conselheiro de segurança de Trump, John Bolton.

A foto foi tirada por Jesco Denzel, um fotógrafo alemão que ganhou este ano o World Press Photo em "Temas Contemporâneos", com uma imagem de um barco com turistas a passear pelos canais da comunidade Makoko, em Lagos, na Nigéria.

A versão norte-americana

A assessora de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, revelou a versão dos EUA. Na foto, uma das várias que partilhou, Trump surge confiante, inclinado para trás na cadeira, enquanto os outros líderes se debruçam sobre o comunicado.

Para juntar ao drama, a fotografia é a preto e branco.

A legenda, "o presidente reúne com os líderes mundiais e negoceia sobre comércio, o Irão e Segurança Nacional".

A versão francesa

Na imagem partilhada por Macron no seu Twitter, Trump quase não se vê. O mesmo acontece com a chanceler alemã.

É o presidente francês que é o centro das atenções, debruçando-se sobre a mesa, em direção ao homólogo norte-americano.

"G7, segundo dia: uma nova etapa é ultrapassada. Após uma longa jornada de trabalho e de diálogo muito direto, procuramos ativamente um acordo ambicioso", escreve Macron no Twitter.

A versão italiana

O novo primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, fez a sua estreia nos grandes palcos internacionais nesta cimeira.

Na foto que divulgou no Twitter é fotografado quase de costas, com o texto do comunicado na mão (à esquerda). Enquanto isso, Merkel parece estar a olhar para a zona onde se encontra John Bolton.

O presidente norte-americano não se vê, enquanto Macron faz correções ao texto, sob o olhar da primeira-ministra britânica, Theresa May.

"Segundo dia do G7 no Canadá onde continuo a trabalhar para representar e defender os interesses dos italianos", lê-se na legenda.

A versão canadiana

O Canadá, que recebeu a cimeira do G7, também revelou a sua versão, ou melhor versões. Numa delas, as atenções de todos parecem estar centradas no que diz o primeiro-ministro, Justin Trudeau, que está de costas e parece fazer com a mão um gesto a pedir calma.

Noutra versão, está a puxar a cadeira ao lado de Trump.

Enquanto na última foto, muito semelhante à divulgada pelos alemães, todos os líderes parecem relaxados. E a rir.

A versão japonesa

Também o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, divulgou a sua versão do momento, na qual aparece em primeiro plano, inclinado a ouvir Trump.

A legenda diz que a cimeira acabou."Este ano, trocámos opiniões fortes sobre comércio", indicando que a discussão se prolongou pela noite dentro e pelos corredores para chegar a um acordo.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.