As primeiras imagens dos rapazes da gruta a recuperar no hospital

Crianças e treinador estiveram 17 dias fechados no interior do sistema de grutas

O Governo tailandês divulgou esta quarta-feira as primeiras imagens dos rapazes resgatados da gruta de Tham Luang no hospital. Nas fotografias, os jovens aparecem de máscaras nas respetivas camas.

Um dia depois de os últimos quatro rapazes terem saído da gruta, juntamente com o professor, o departamento de relações públicas do governo mostra ao mundo como os jovens estão a recuperar.

Depois de 17 dias fechados no interior do sistema de grutas, devido a uma inundação que os reteve e forçou uma enorme operação de resgate, os rapazes perderam peso, mas, segundo as autoridades, "estão bem de saúde".

O treinador e um dos últimos jovens a serem resgatados contraíram uma "leve infeção pulmonar", indicou esta quarta-feira o inspetor de saúde pública Thongchai Lertwilairatanapong.

Os 12 rapazes, entre os 11 e os 16 anos, e o treinador, de 25, foram explorar a gruta depois de um jogo de futebol no dia 23 de junho. Ficaram presos a cerca de quatro quilómetros devido a inundações resultantes das chuvas das monções e passaram 18 dias isolados, metade dos quais sem acesso a água potável e a comida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.