As 12 exigências dos EUA para um novo acordo com o Irão

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, enunciou esta segunda-feira aquilo que deveria ser o Plano B dos EUA para o Irão depois de Donald Trump ter retirado os norte-americanos do acordo existente com os iranianos.

As exigências enunciadas por Pompeo, na Heritage Foundation, são 12:

1 - O Irão deve, em primeiro lugar, declarar junto da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) as dimensões do seu programa nuclear com fins militares e abandonar esses trabalhos de forma verificável e permanente

2 - O Irão deve parar o enriquecimento de urânio e nunca possuir reprocessamento de plutónio. Isso inclui o encerramento dos reatores de água pesada

3 - O Irão deve dar à AIEA acesso ilimitado a todas as instalações e em todo o país

4 - O Irão deve acabar com a proliferação de mísseis balísticos e travar qualquer lançamento ou desenvolvimento de mísseis com capacidade nuclear

5 - O Irão deve libertar todos os cidadãos dos EUA que tem detidos, bem como cidadãos de países que são nossos parceiros e aliados, que enfrentam acusações ou que foram dados como desaparecidos no Irão

6 - O Irão deve acabar com o seu apoio a grupos terroristas do Médio Oriente, incluindo o libanês Hezbollah, os palestinianos Hamas e Jihad Islâmica

7 - O Irão deve respeitar a soberania do governo do Iraque e permitir o desarmamento, a desmobilização e a reintegração das milícias xiitas

8 - O Irão deve acabar com o seu apoio militar às milícias Houthi e trabalhar no sentido de uma solução pacífica no Iémen

9 - O Irão deve retirar todas as forças sob comando iraniano da Síria

10 - O Irão deve deixar de apoiar os talibãs e outros grupos terroristas no Afeganistão e na região, deixando de abrigar a Al-Qaeda

11 - O Irão deve acabar com o apoio da Força Quds dos Guardas da Revolução a parceiros terroristas e rebeldes

12 - O Irão deve abandonar o comportamento ameaçador contra os seus vizinhos - muitos dos quais são aliados dos EUA. Isto inclui certamente as suas ameaças sobre a destruição de Israel e os mísseis contra a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos. Isto também inclui as ameaças contra a navegação internacional e ciber-ataques destrutivos

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.