Ardeu o palácio de D. João VI no Rio de Janeiro, Museu Nacional do Brasil

Hoje Museu Nacional, o antigo Palácio de São Cristóvão foi casa dos Bragança no Brasil. Destruição do acervo foi devastadora, segundo primeiras estimativas.

Um incêndio de grandes proporções destruiu o Museu Nacional no Rio de Janeiro. Situado na Quinta da Boa Vista, o edifício alberga uma vasta coleção museológica, desde arte indígena a meteoritos e a um importante espólio de egiptologia, mas destaca-se também por ter sido residência dos Bragança no Brasil, tanto no período colonial até 1822, como depois já da independência até à proclamação da república em 1889. Na Sala do Trono havia mobiliário e objetos vários que pertenceram à família real, depois imperial.

O ministro da Cultura brasileiro, Sérgio Sá Leitão, já considerou que as perdas são trágicas: "é uma imensa tragédia" e é preciso "descobrir a causa e apurar a responsabilidade", disse, citado pela Folha.

Oferecido por um rico comerciante à família real portuguesa quando esta chegou em 1808 ao Rio de Janeiro para escapar às tropas napoleónicas, o Palácio de São Cristóvão foi residência de D. Maria I até à morte em 1816 e de D. João VI até regressar a Lisboa em 1821. Lá viveu D. Pedro I do Brasil (IV de Portugal) e lá nasceu a nossa D. Maria II, além de D. Pedro II do Brasil, ambos filhos da imperatriz Leopoldina, uma Habsburgo.

Segundo o jornal A Folha de São Paulo, 80 bombeiros de vários quartéis tentaram controlar as chamas, que perduraram noite dentro. O ministro português da Cultura, Luís Castro Mendes, foi um dos primeiros em Portugal a alertar para o incêndio via Facebook, falando de "um mau momento para o Brasil".

O presidente brasileiro Michael Temer já falou de "perda incalculável para o Brasil", embora não se saiba que parte dos 20 milhões de itens foi destruída. Entre o acervo do museu está o mais antigo fóssil humano encontrado no Brasil.

O Museu Nacional era gerido atualmente pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Desde há muito havia críticas ao estado de conservação do palácio e estavam prometido investimentos no museu, que este ano fez dois séculos e nasceu da iniciativa de D. João VI, que viveu 13 anos no Rio de Janeiro e deixou outros legados à cidade, como o Jardim Botânico.

Atualizado às 6.55

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.