Aprova a redução do salário dos congressistas? As 7 perguntas da consulta anticorrupção na Colômbia

Os 36 milhões de eleitores colombianos são chamados a pronunciar-se, este domingo, sobre sete temas da luta contra a corrupção. Mas nem todos estão de acordo com a consulta, que divide até o novo presidente Iván Duque e o seu mentor, Álvaro Uribe.

Aprova a redução do salário dos congressistas para um máximo de 25 salários mínimos mensais? E garantir que os condenados por corrupção cumpram a pena total na prisão, sem possibilidade de benefícios especiais, e sejam proibidos de voltar a fazer contratos com o Estado? Estas são apenas duas das sete questões que os colombianos são este domingo chamados a responder, numa consulta popular anticorrupção.

Os números de participação são grande desafio para os promotores da consulta - a ex-senadora Claudia López, que foi candidata a vice-presidente, e a senadora Angélica Lozano, ambas da Aliança Verde. Para ser vinculativa, um terço dos 36 milhões de eleitores têm que ir votar - o número mágico é mais de 12 231 314 -, naquela que será a quarta ida às urnas este ano, depois das legislativas e das duas voltas das eleições presidenciais, que resultaram na eleição de Iván Duque.

Os colombianos têm que dizer "sim" ou "não" a cada uma das sete perguntas. Sempre que o "sim" vença (basta 50% dos votos mais um), caberá ao Congresso aprovar, no prazo de um ano, as leis que tornam efetiva a decisão dos eleitores. Caso não o faça, o presidente terá que as aprovar por decreto.

Mas a consulta não é consensual, com os detratores - entre eles o ex-presidente Álvaro Uribe - a queixarem-se do dinheiro que custa (300 mil milhões de pesos ou 87 milhões de euros), lembrando que as leis atuais já têm formas de castigar os atos de corrupção e prevenir este tipo de atuação e que cabe ao Congresso proceder às alterações. De facto, as sete questões chegaram a ser propostas de lei da Aliança Verde e foram chumbadas.

"Gastar mais de 300 mil milhões numa consulta inócua também é corrupção", escreveu no Twitter a senadora Paola Holguin, do Centro Democrático, o partido de Uribe e do atual presidente. Este, ao contrário do mentor, apoiou a consulta aprovada no Senado com 84 votos a favor e nenhum contra, em junho, quando Juan Manuel Santos ainda estava no poder. Duque alegou que "é tarefa de todos os colombianos acabar com essa vagabundice", referindo-se à corrupção. Acontece que Uribe é suspeito em vários esquemas de corrupção.

Os críticos dizem ainda que há perguntas, incluindo a do salário dos congressistas, cuja resposta afirmativa implica uma mudança constitucional e isso só pode ser feito após um referendo, não uma consulta.

Sete perguntas

1. A primeira pergunta é sobre a redução do salário de congressistas e altos funcionários do Estado. Os membros do Congresso seriam os mais afetados com uma redução do salário até ao máximo de 25 salários mínimos, o que significaria passar de 32 milhões de pesos (9250 euros) para 19 milhões de pesos mensais (5500 euros).

2. A segunda pergunta propõe eliminar os benefícios que os condenados por corrupção podem gozar, como ficarem detidos em sítios especiais, defendendo ainda que cumpram a totalidade das penas. E pergunta se os colombianos estão de acordo em o Estado terminar unilateralmente os contratos com os condenados, sem pagar indemnização, e que o responsável não possa voltar a ter um contrato governamental.

3. Defende que todas as entidades públicas devem usar requisitos estandardizados para contratar, de forma a evitar manipulações que permitem, na realidade, adequar o cargo a uma pessoa específica.

4. A quarta pergunta destina-se a fomentar a participação da cidadania no orçamento, dando a possibilidade aos cidadãos de decidir que projetos devem ser priorizados no orçamento nacional, regional e local.

5. O objetivo a quinta pergunta é decidir se os congressistas devem ou não apresentar contas anualmente do trabalho feito, incluindo a gestão de interesses particular ou investimentos públicos que tenha gerido ou cargos públicos para os quais tenha apresentado candidatos.

6. Obriga os cargos eleitos por voto popular a tornar público as declarações de bens e património, assim como existência de eventuais conflitos de interesse, antes de tomar posse.

7. A última pergunta estabelece um limite máximo de três mandatos para o Senado, a Câmara de Representantes, as Assembleias Regionais, os Conselhos Municipais e as Juntas Administrativas Locais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.