Tudo começou no restaurante do português José Meirelles

O dia de cozinhar tripas à moda do Porto era o preferido de Anthony Bourdain no restaurante do português José Meirelles, emigrante português nos EUA. Foi o ponto de partida para o seu primeiro e bem sucedido livro, "Kitchen Confidential"

O livro Kitchen Confidential foi editado em 2000 e tornou-se um êxito. Biografia e não ficção num só volume, revelou Anthony Bourdain, chef e estrela da televisão, que morreu na sexta-feira, dia 8. Relata as peripécias vividas nos bastidores de Les Halles, o restaurante onde tudo começou e onde se cruzou com o português José Meirelles.

Foi o português que contratou Bourdain. E foi ele que levou o chef a Celorico de Basto para uma matança do porco que seria imortalizada num programas de televisão, A Cook's Tour. Em fevereiro repetiram a experiência para o programa Parts Unknown.

Ao telefone desde Nova Iorque conta que a ementa foi quase a mesma dessa primeira viagem. "Matámos o porco e depois comemos. Febras, coração, fígado... Bebeu-se muito vinho. E no dia seguinte fomos a casa da mãe comer cozido à portuguesa".

"Ele era exatamente como no programa de televisão, não havia qualquer encenação", diz, sobre a personalidade do chef.

E como cozinheiro, tal qual o programa de televisão "Sempre à procura de coisas que não eram populares. Adorava cozinhar entranhas. Coisas que não eram tradição culinária nos EUA. Gostava da cozinha tradicional".

Nos tempos do Les Halles, o seu dia preferido era o de cozinhar tripas à moda do Porto. "Era sempre o dia mais feliz", conta José Meirelles. No restaurante cozinhavam, ocasionalmente, pratos da culinária portuguesa.

Um artigo na The New York, Don't Eat Before You Read This, deu a conhecer o contador de histórias. Pouco depois recebia a proposta para escrever o primeiro livro. O êxito de Bourdain foi também o êxito do Les Halles. "O negócio aumentou substancialmente quando ele começou a ter êxito como escritor". "Entre seis meses a um ano depois" deixava a cozinha do Les Halles, recorda José Meirelles.

A amizade ficou, demonstram as viagens a Celorico de Basto. O contacto era escasso. "Num bom ano, encontrávamo-nos uma vez, mas sabia que podia contar com ele e ele comigo. Passava a vida a viajar".

"A morte dele causa-nos dor, mas ainda estamos impressionados com tudo o que este homem talentoso conseguiu na sua carreira", diz a mensagem publicada na página de Facebook do novo restaurante de José Meirelles, Le Marais, em Nova Iorque.

A foto que acompanha a publicação mostra Anthony Bourdain ao lado de José Meirelles. Foi tirada em Celorico de Basto nessa última viagem, em fevereiro.

José Meirelles emigrou para os EUA em 1983. Quatro anos depois fez um curso de cozinha francesa. Abriu o Les Halles, em Park Avenue. "Era um sítio com rendas baratas, ninguém para lá ia. Hoje é diferente, tem boa reputação e as rendas subiram", disse em 2014 à Notícias Magazine . Em 1995 abriu o Le Marais, um restaurante de cozinha kosher e francesa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.