Tudo começou no restaurante do português José Meirelles

O dia de cozinhar tripas à moda do Porto era o preferido de Anthony Bourdain no restaurante do português José Meirelles, emigrante português nos EUA. Foi o ponto de partida para o seu primeiro e bem sucedido livro, "Kitchen Confidential"

O livro Kitchen Confidential foi editado em 2000 e tornou-se um êxito. Biografia e não ficção num só volume, revelou Anthony Bourdain, chef e estrela da televisão, que morreu na sexta-feira, dia 8. Relata as peripécias vividas nos bastidores de Les Halles, o restaurante onde tudo começou e onde se cruzou com o português José Meirelles.

Foi o português que contratou Bourdain. E foi ele que levou o chef a Celorico de Basto para uma matança do porco que seria imortalizada num programas de televisão, A Cook's Tour. Em fevereiro repetiram a experiência para o programa Parts Unknown.

Ao telefone desde Nova Iorque conta que a ementa foi quase a mesma dessa primeira viagem. "Matámos o porco e depois comemos. Febras, coração, fígado... Bebeu-se muito vinho. E no dia seguinte fomos a casa da mãe comer cozido à portuguesa".

"Ele era exatamente como no programa de televisão, não havia qualquer encenação", diz, sobre a personalidade do chef.

E como cozinheiro, tal qual o programa de televisão "Sempre à procura de coisas que não eram populares. Adorava cozinhar entranhas. Coisas que não eram tradição culinária nos EUA. Gostava da cozinha tradicional".

Nos tempos do Les Halles, o seu dia preferido era o de cozinhar tripas à moda do Porto. "Era sempre o dia mais feliz", conta José Meirelles. No restaurante cozinhavam, ocasionalmente, pratos da culinária portuguesa.

Um artigo na The New York, Don't Eat Before You Read This, deu a conhecer o contador de histórias. Pouco depois recebia a proposta para escrever o primeiro livro. O êxito de Bourdain foi também o êxito do Les Halles. "O negócio aumentou substancialmente quando ele começou a ter êxito como escritor". "Entre seis meses a um ano depois" deixava a cozinha do Les Halles, recorda José Meirelles.

A amizade ficou, demonstram as viagens a Celorico de Basto. O contacto era escasso. "Num bom ano, encontrávamo-nos uma vez, mas sabia que podia contar com ele e ele comigo. Passava a vida a viajar".

"A morte dele causa-nos dor, mas ainda estamos impressionados com tudo o que este homem talentoso conseguiu na sua carreira", diz a mensagem publicada na página de Facebook do novo restaurante de José Meirelles, Le Marais, em Nova Iorque.

A foto que acompanha a publicação mostra Anthony Bourdain ao lado de José Meirelles. Foi tirada em Celorico de Basto nessa última viagem, em fevereiro.

José Meirelles emigrou para os EUA em 1983. Quatro anos depois fez um curso de cozinha francesa. Abriu o Les Halles, em Park Avenue. "Era um sítio com rendas baratas, ninguém para lá ia. Hoje é diferente, tem boa reputação e as rendas subiram", disse em 2014 à Notícias Magazine . Em 1995 abriu o Le Marais, um restaurante de cozinha kosher e francesa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.