Animais do jardim zoológico de Gaza foram resgatados e levados para a Jordânia

São 47 animais, entre leões, macacos e porcos-espinhos, que foram retirados de um zoo em Rafah onde viviam em condições miseráveis. Apenas os pássaros ficaram.

Mais de 40 animais foram retirados de "condições terríveis" de um jardim zoológico da Faixa de Gaza e levados para uma reserva na Jordânia, anunciou um grupo de assistência social a animais.

Os elementos do Four Paws (Quatro Patas) dizem que levaram os animais do zoológico de Rafah, perto da fronteira com o Egito. Leões, macacos, pavões e porcos-espinhos estavam entre as 47 criaturas resgatadas.

Os animais foram sedados para a viagem de 300 quilómetros através de Israel, que deu permissão para a transferência.

O veterano do grupo Four Paws, Amir Khalil, disse à BBC que as jaulas se tornaram pequenas demais para abrigar os animais. Apenas os pássaros foram deixados para trás no zoológico pelo grupo. Dois dos leões salvos serão transferidos para a África do Sul.

O jardim zoológico de Rafah foi inaugurado em 1999. O Four Paws deu o alerta para o sofrimento dos animais no início deste ano, quando a uma leoa foram removidas as garras, com tesouras de jardinagem, para que os visitantes pudessem brincar com ela.

Grupos de defesa dos direitos dos animais condenaram veementemente o proprietário do zoológico, Fathy Jomaa, pelo tratamento dos animais. Quatro crias de leão morreram no zoológico no início deste ano e Jomaa contatou depois o Four Paws para ajudar a mudar as criaturas.

Jomaa culpou o bloqueio israelita do enclave e a economia pobre pelas condições miseráveis do zoológico. "Quando criamos um gato por uma semana ou um mês, sentimo-nos tristes por perdê-lo, mas como será quando, de repente, perdemos animais com os quais vivemos durante 20 anos?", disse à BBC.

Os residentes em Gaza também ficaram tristes ao verem os animais saírem. "O zoológico é o único lugar onde podemos fazer uma pausa", disse Husam Sabawei, habitante local. "Era o único lugar para entreter os nossos filhos."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.