Anel de diamantes confirma. Primeira ministra da Nova Zelândia está noiva

Jacinda Ardern esteve numa cerimónia com um anel de diamantes. Terá ficado noiva durante a Páscoa.

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, está noiva do seu companheiro Clarke Gayford. A notícia, já confirmada por um porta-voz da governante, surgiu depois de Ardern ter estado presente numa cerimónia esta sexta-feira com um anel de diamante no dedo médio da mão esquerda. De acordo com fonte oficial o casal ficou noivo durante a Páscoa.

No ano passado, Jacinda Ardern foi mãe do primeiro filho do casal, uma rapariga que se chama Neve Te Aroha. No início do ano e perante perguntas sobre se iria propor ao companheiro, o apresentador de televisão Clarke Gayford, um outro tipo de comportamento, salientou que nunca o faria.

Ardern tornou-se a segunda governante a nível mundial a dar à luz enquanto cumpre funções governativas. A primeira foi Benazir Bhutto, duas vezes primeira ministra do Paquistão.

Na altura, sublinhou que seria o companheiro a ficar em casa a tomar conta da filha de ambos. "Tenho muita sorte. Tenho um parceiro que pode estar ao meu lado e pode assumir essa responsabilidade."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O populismo identitário

O tema da coincidência entre Nação-Estado foi intencionalmente considerado um princípio da organização mundial quando o presidente Wilson conseguiu a sua inclusão no estatuto da Sociedade das Nações (SdN), no fim da guerra de 1914-1918, organismo em que depois os EUA decidiram não entrar. Acontece que nação é um termo que, exprimindo de regra, em primeiro lugar, uma definição cultural (costumes, tradições, valores), tem vocação para possuir um território e uma soberania, mas o princípio da SdN não impediu a existência, hoje extinta, da unidade checoslovaca, nem que, atualmente, o Brexit advirta que um eventual problema futuro para o Reino Unido está no facto de não ser um Estado-Nação, e identidades políticas, provavelmente duas ou mais nações, suas componentes, são europeístas.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.