Agressão a estudante em Paris gera onda de solidariedade

Marie Laguerre, 22 anos, foi agredida violentamente no rosto por um homem que não gostou da resposta dela a uma série de insultos. A cena foi captada por uma câmara de segurança e Marie publicou-a no Facebook e no Twitter. A reação foi gigantesca: "É um problema de todas as mulheres."

A agressão deu-se na terça-feira passada, às 18.30, no 19.º bairro de Paris, e foi testemunhada por dezenas de pessoas sentadas numa esplanada. A câmara do café captou tudo, desde o momento em que Marie e o homem de pouco mais de 30 anos se cruzam. Não precisa de som, os gestos dizem tudo.

O homem diz-lhe qualquer coisa - ela contará mais tarde que eram insultos e grunhidos obscenos - e Marie vira-se ligeiramente para responder "ta gueule!" e continua a andar. Ele pega num cinzeiro da esplanada e atira-lho, já a alguma distância. Ela responde novamente, ele volta para trás e aproxima-se. Marie faz-lhe frente e recebe uma forte palmada no rosto.

Num primeiro momento, as pessoas da esplanada ficam surpreendidas, algumas levantam-se, e há mesmo um rapaz que, com uma cadeira nas mãos, se dirige ao homem. Discutem, o agressor desaparece.

Marie retoma o caminho para casa, ali perto, mas regressa ao café, onde várias pessoas se oferecem para testemunhar se apresentar queixa na polícia. O dono do estabelecimento, Mohran, dá-lhe a gravação da câmara de segurança que ela vai publicar nas redes sociais. Milhares de pessoas veem o vídeo e enviam mensagens de apoio a Marie, algumas com relatos de incidentes idênticos.

Em poucos dias, a jovem estudante tornou-se porta-voz da reação ao assédio que, como sublinha, "atinge quotidianamente todas as mulheres". Os jornais entrevistam-na, divulgam também o vídeo. Ao Le Parisien , a estudante de longos cabelos pretos afirma: "Enquanto as mentalidades não mudarem, nunca falaremos o suficiente sobre este problema. A questão passa pela lei, pela cultura popular, pelas mensagens que circulam nos media, nos filmes, na música, por todo o lado, mesmo na escola. Não devemos tolerar os comentários. Este fenómeno sistemático do assédio leva a que as mulheres não se sintam em segurança na rua. Enfrentei com orgulho a agressão, o mais direita e digna que consegui."

Marie apresentou queixa na polícia, indicou testemunhas e acrescentou um relatório médico a confirmar o efeito da agressão. Repete que foi uma sorte ter obtido o vídeo. E de facto foi visto por um milhão de pessoas e partilhado mais de 7,2 mil vezes. Marie recebeu 1600 comentários só no primeiro post , a que se podem somar milhares nos órgãos de informação.

Marie Laguerre é estudante do Instituto Superior de Ciência Aplicada, em Rennes, e vive em Paris. Na página do Facebook, tinha publicado em outubro passado uma imagem com a mensagem #MeToo. Noutros posts, percebe-se que gosta de viajar - tem imagens na Indonésia, na Birmânia, em Berlim, em passeios de bicicleta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.