Agora, na Eslovénia, quase tudo se chama Melania

A primeira dama dos EUA, que nasceu em Sevnica, é o grande trunfo de marketing num país da UE - o inimigo da "guerra comercial" lançada por Donald Trump

O The New York Times foi a Sevnica em reportagem e não encontrou nada do que, geralmente, se vê numa "guerra comercial" entre dois blocos. Pelo contrário. A terra onde nasceu Melania Trump, na Eslovénia, está numa relação comercial apaixonada com a Casa Branca: "Bolo Melania. Creme Melania. Vinho Melania. Chá Melania. Chinelos Melania. Salame Melania. Fatias de maçã cobertas por chocolate Melania."

Poucas são as atrações desta pequena cidade rural eslovena que não tenham, agora, o nome de Melania Trump. Embora o direito comercial imponha algumas restrições ao marketing... O vinho, por exemplo, chama-se "primeira-dama", enquanto os chinelos se chamam "Casa Branca".

Desde que Melania chegou, com Donald Trump, à Casa Branca, o turismo tem crescido muito em Sevnica. E os locais agradecem a Trump. Até porque, garante um dos cidadãos da Eslovénia ouvidos pelo The New York Times, "muita gente pensava que o país se chamava Eslováquia".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.