Aeroporto de Roma encerrado devido a incêndio

Aeroporto de Ciampino usado pela Ryanair, foi encerrado devido a incêndio no terminal que começou pelas oito da manhã desta terça-feira.

O aeroporto de Ciampino, em Roma, que é usado pela low cost Ryanair, foi encerrado esta terça-feira devido a um incêndio no terminal, informou a companhia, citada pela agência Reuters.

"O aeroporto foi encerrado por precaução", explicou uma porta-voz dos Aeroportos de Roma.

Segundo o jornal italiano La Repubblica, o fogo começou pelas oito da manhã (menos uma hora em Lisboa) e os passageiros na zona das partidas foram imediatamente retirados do local e deslocados para uma zona no exterior do aeroporto. Foram avisados antes que soasse o alarme de incêndio e a evacuação terá decorrido de forma ordeira, adianta o mesmo jornal.

Pelo menos sete voos foram já desviados para o outro aeroporto de Roma, o aeroporto de Fiumicino. O incêndio já foi dominado e, até ao momento, não há registo de feridos.

Segundo a agência Reuters, aproximadamente pelas onze da manhã (menos uma hora em Lisboa), o aeroporto de Ciampino foi parcialmente reaberto, depois do alerta de incêndio no terminal.

Os bombeiros italianos apagaram o "início de um fogo", disse uma porta-voz dos Aeroportos de Roma, acrescentando que a área de desembarque estava agora a funcionar dentro da normalidade. No entanto, a área de partidas ainda estava fechada e não iria estar completamente desimpedida a tempo da reabertura, ainda que parcial, do aeroporto de Roma.

Em atualização

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?