Adolescente condenado a dez anos de prisão por atirar ácido a motociclistas

O jovem de 17 anos e um cúmplice atiraram um líquido altamente corrosivo a motociclistas. Ataques do género têm aumentado em Londres

Derryck John, um jovem de 17 anos, foi condenado a uma pena de prisão de dez anos depois de ter sido dado como culpado de seis ataques com ácido a motociclistas. Os ataques, que um juiz de um tribunal de Londres considerou "desprezíveis e covardes", aconteceram em menos de uma hora e meia. John, natural de Croydon, no sul de Londres, atacou os motociclistas para conseguir roubar as motas, em julho do ano passado.

"Foram crimes graves. Atacou pessoas com o que parece ter sido um ácido situado no extremo mais forte da escala de ácidos ", disse o juiz, Noel Lucas QC, durante a audiência desta segunda-feira, em Londres, citado pelo jornal The Guardian.

O adolescente não revelou o nome do cúmplice nem o líquido corrosivo que usou ou como o obteve.

Derryck John pulverizou as vítimas no rosto com um líquido nocivo, deixando um homem com 30% de perda de visão num dos olhos. Roubou duas motas e tentou roubar outras quatro, antes de ser detido, na madrugada do dia 14 de julho.

O juiz condenou-o a dez anos e meio de prisão e descreveu a forma como os ataques mudaram radicalmente a vida das vítimas, que sofreram "dores e queimaduras" e foram obrigadas a abandonar os seus empregos por causa dos ferimentos. "Se não estivessem a usar capacetes, os ferimentos poderiam ter sido muito mais graves", acrescentou o juiz, que se mostrou alarmado com o número de ataques com ácido que tem "crescido nos últimos 12 meses".

O magistrado revelou que o caso de Derryck John era o segundo caso do género nos últimos três meses.

"É claro para mim que o transporte e o uso de líquidos corrosivos está a tornar-se um problema sério e crescente em Londres e, em particular, nesta parte de Londres. Assim como os crimes cometidos usando scooters", revelou o juiz.

Numa primeira audiência, o jovem de 17 anos declarou-se inocente dos crimes, mas acabaria por admitir a sua participação no mês passado. Estava acusado de ataques com um líquido corrosivo com a intenção de "desativar, queimar, mutilar, desfigurar ou causar danos corporais graves", duas acusações de roubo e quatro acusações de tentativa de roubo.

Se fosse julgado como um adulto enfrentava uma pena de prisão de 22 anos.

Antes de se ter declarado culpado, e devido à idade do réu, a sua identificação estava proibida. Mas tendo em conta o "enorme interesse público" do caso, o juiz decidiu revelar o nome do jovem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.