Acidente de autocarro em Espanha faz pelo menos cinco mortos

Viatura embateu num pilar de um viaduto na localidade de Avilés. Incidente fez pelo menos 15 feridos

Pelo menos cinco pessoas morreram esta segunda-feira na sequência de um acidente de autocarro em Avilés, Espanha. Do incidente resultaram ainda 15 feridos.

De acordo com o jornal espanhol El País , a viatura, ao serviço da companhia Alsa, chocou contra um pilar de um viaduto, e a violência do embate fez com que esta se abrisse ao meio, até à terceira fila.

Fontes da emergência médica referiram à agência noticiosa Efe que cinco dos feridos se encontram em estado crítico, dois no hospital universitário das Astúrias UHUCA), em Oviedo, outros dois no San Agustín, de Avilés, e um no centro hospitalar Cabueñes, em Gijón.

Quatro pessoas morreram na colisão e uma quinta vítima não resistiu aos ferimentos quando era transportada de ambulância para um centro hospitalar.

O condutor encontra-se entre os feridos, e segundo diversas fontes sofreu diversas amputações.

O alerta para o acidente foi dado pelas 13:40 locais (12:40 em Portugal continental). O autocarro fazia a ligação Cudillero-Avilés-Gijón.

Notícia atualizada às 17:25.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.