Académico acusa ex-CEO da Cambridge Analytica de mentir no parlamento britânico

Empresa de consultoria de dados negou qualquer influência na campanha de Donald Trump às eleições presidenciais norte-americanas de 2016

Aleksandr Kogan, professor da Universidade de Cambridge, afirmou hoje que um antigo administrador da empresa de tratamento de dados Cambridge Analytica mentiu ao responder sobre o escândalo ao comité do parlamento britânico que investiga as notícias falsas ("fake news").

Ao falar numa sessão do comité de "media" do parlamento do Reino Unido, em Londres, Aleksandr Kogan referiu que Alexander Nix, ex-administrador da Cambridge Analytica, mentiu ao testemunhar sobre um alegado trabalho conjunto entre os dois.

Vários antigos funcionários da Cambridge Analytica indicaram que a empresa usou os dados pessoais de milhões de utilizadores para ajudar na campanha de Donald Trump às eleições presidenciais norte-americanas em 2016, o que foi negado pela companhia.

Kogan também acusou Nix de ter "fabricado" a ideia de que nenhum dos dados utilizados veio da Global Science Research.

A Global Science Research, empresa liderada por Kogan, desenvolveu uma aplicação no Facebook que desviava informação dos utilizadores, bem como dados adicionais dos seus amigos no Facebook.

Em março deste ano foi divulgado que em 2014 a empresa Cambridge Analytica teve acesso a dados do Facebook e que usou essa informação para criar um programa informático destinado a influenciar as decisões dos membros da rede social.

A empresa terá colaborado com a equipa do atual Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na campanha para as eleições de 2016.

A consultora Cambridge Analytica terá acedido a dados pessoais de 87 milhões de utilizadores da rede social Facebook sem consentimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...