Académico acusa ex-CEO da Cambridge Analytica de mentir no parlamento britânico

Empresa de consultoria de dados negou qualquer influência na campanha de Donald Trump às eleições presidenciais norte-americanas de 2016

Aleksandr Kogan, professor da Universidade de Cambridge, afirmou hoje que um antigo administrador da empresa de tratamento de dados Cambridge Analytica mentiu ao responder sobre o escândalo ao comité do parlamento britânico que investiga as notícias falsas ("fake news").

Ao falar numa sessão do comité de "media" do parlamento do Reino Unido, em Londres, Aleksandr Kogan referiu que Alexander Nix, ex-administrador da Cambridge Analytica, mentiu ao testemunhar sobre um alegado trabalho conjunto entre os dois.

Vários antigos funcionários da Cambridge Analytica indicaram que a empresa usou os dados pessoais de milhões de utilizadores para ajudar na campanha de Donald Trump às eleições presidenciais norte-americanas em 2016, o que foi negado pela companhia.

Kogan também acusou Nix de ter "fabricado" a ideia de que nenhum dos dados utilizados veio da Global Science Research.

A Global Science Research, empresa liderada por Kogan, desenvolveu uma aplicação no Facebook que desviava informação dos utilizadores, bem como dados adicionais dos seus amigos no Facebook.

Em março deste ano foi divulgado que em 2014 a empresa Cambridge Analytica teve acesso a dados do Facebook e que usou essa informação para criar um programa informático destinado a influenciar as decisões dos membros da rede social.

A empresa terá colaborado com a equipa do atual Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na campanha para as eleições de 2016.

A consultora Cambridge Analytica terá acedido a dados pessoais de 87 milhões de utilizadores da rede social Facebook sem consentimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.