Abandono de golfinho e pinguins no Japão gera indignação

Aquário fechou em janeiro devido a queda nas receitas. Ativistas têm protestado e antigos funcionários têm alimentado os animais largados à sua sorte. Problema começou com um documentário que venceu um Óscar em 2010

Desde janeiro deste ano que Honey, um golfinho fêmea, encontra-se trancada no Aquário e Parque Marinho Inubosaki, situado na cidade japonesa de Choshi.

Honey tem ainda a companhia de 46 pinguins, centenas de peixes e répteis que estão abandonados à sua sorte depois de a operadora que explorava o espaço tê-lo fechado em janeiro devido a uma queda acentuada no número de visitantes, situação que começou a ganhar forma em 2011 depois do terramoto e da crise nuclear de 2011.

A situação tem motivado diversos protestos de ativistas que pedem para que os animais sejam salvos. Honey foi capturada em 2005 perto da cidade portuária de Taiji, que se tornou conhecida mundialmente ao ser retratada no documentário "The Cove", que venceu o Óscar em 2010. Desde essa altura que a prática de aquários japoneses comprarem golfinhos em Taiji que se tornou mundialmente criticada.

Honey e os restantes animais abandonados têm sido alimentados com regularidade pelos antigos funcionários mas o golfinho fémea tem um espaço exíguo para se movimentar.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.